Taça UEFA: 16-avos-de-final (segunda-mão)

Fevereiro 24, 2008

Miguel Pereira e Filipa Lopes

Os dezasseis-avos-de-final da Taça UEFA reservaram algumas surpresas e jogos emocionantes. Salta logo à vista a eliminação de um dos candidatos à vitória na prova, o Atlético de Madrid, diante do Bolton. A sorte também não acompanhou a equipa treinada por José Peseiro, que acabou por ser eliminada nos últimos minutos.

No que diz respeito aos representantes lusos, os rivais de Lisboa, o Sporting em forma de treino e o Benfica com muito sofrimento, seguiram em frente. O Braga, porém, não se conseguiu impor perante o colosso Werder Bremen.

imagens_107442.jpg

Basileia 0 – Sporting 3 (0-2)

Sem espinhas. Se já no jogo em Alvalade o Sporting havia revelado uma clara superioridade em relação aos suiços, o domínio que exerceu em Basileia na passada 5ª feira não deixou margem para dúvidas: uma vitória por 3-0, a juntar-se aos golos de Vukcevic na 1ª mão e o Sporting a findar a eliminatória com um score de 5 golos marcados,0 golos sofridos e o Bolton definido como próximo adversário leonino na Taça UEFA.

E o Sporting começou o jogo a abrir: Passavam 2 minutos do apito inicial do árbitro quando João Moutinho, com um passe de trivela, rasgou autenticamente a defesa helvética e colocou a bola nos pés de Pereirinha. O jovem sportinguista rematou forte, colocado, e colocou também fim às esperanças de Carlitos e seus pares. A verdade é que, com um golo tão cedo, o Sporting desmoralizou completamente o adversário, reduziu aos mínimos as suas hipóteses de dar a volta a um resultado negativo e partiu para uma exibição de grande nível, a exemplo do que já tinha acontecido uma semana antes em sua casa.

Mas é injusto não dizer que o Basileia, ainda assim, poderia ter marcado por diversas ocasiões. E só não o fez porque um grande Rui Patrício se assumiu definitivamente na baliza, com um punhado de intervenções de alto nível a segurar o 0 com que o Sporting chegou ao fim da eliminatória.

Mas os suiços eram fracos… fraquinhos. Carlitos, que na voz de Christian Gross, treinador do Basileia, «tentou jogar demais», é mesmo o abono de família da equipa, e o Sporting construíu com naturalidade um resultado que poderia ter sido ainda mais avultado: Liedson, à passagem do minuto 41, conta com o precioso auxílio do defesa Marque para se isolar e fazer um chapéu a Crayton, o mesmo Crayton que já na 2ª parte, aos 51 minutos, faz defesa incompleta a remate de Pereirinha e coloca a bola nos pés do Levezinho. E já se sabe que Liedson, nestas ocasiões, raramente falha. Recarga, golo, e alcançada a goleada.

A história do encontro acaba aqui. O Sporting venceu bem e continua merecidamente em prova na UEFA, a enfrentar o Bolton em Inglaterra no próximo dia 6 de Março.

imagens_107441.jpg

Nuremberga 2 – Benfica 2 (0-1)

Um golo obtido ao minuto 90, marcado por Óscar Cardozo, vindo do banco minutos antes, permitiu ao Benfica a continuidade na UEFA, após ter estado em desvantagem na eliminatória. O 1-0 trazido de Lisboa revelava-se insuficiente às mãos dos letais alemães, que aproveitaram os erros da defesa benfiquista para marcar os dois golos que quase lhes permitiam eliminar uma equipa que, embora não o tenha provado, é em muito superior ao Nuremberga.

E é por aqui que se pode começar a avaliar o jogo da águia: Com um golo falhado logo aos 3 minutos por Máxi Pereira (completamente alheado do jogo e muito pouco concentrado, diga-se) o Benfica até controlou o jogo na primeira meia hora, mas os atletas benfiquistas contrariavam o discurso de Camacho: Quim perdia o máximo tempo possível nas reposições de bola e essa apatia começou a contagiar os colegas, sem chama nem vontade.

Ainda antes do intervalo, Charisteas, carrasco luso no Euro’2004, falhou um golo certo e pouco depois Saenko viu Quim negar-lhe o golo com uma excelente intervenção.

Mas o pior viria depois. Ao intervalo, Rui Costa e Petit protagonizaram um aceso diálogo e até Makukula se revelava extremamente insatisfeito com a prestação encarnada. Mas de nada serviram as conversas. A verdade é que regressados da cabine, os jogadores do Benfica não alteraram em nada a postura e viram Charisteas, primeiro, isolar-se e marcar o golo que empatava a eliminatória, para logo a seguir Luís Filipe perder a bola em zona proibida e permitir a Saenko fazer o golo da reviravolta.

E Camacho mexeu. Fez entrar Cardozo e Dí Maria e foi abençoado pela estrelinha da sorte: Quando certamente já a maioria dos benfiquistas dava a eliminatória como certa, o paraguaio reduziu para 2-1 e devolveu o sonho ao Benfica. Com os alemães desesperadamente à procura de novo golo, Dí Maria até fez o golo do empate, fruto dos espaços dados pelo Nuremberga. «Foi o empate da superação», disse Léo no final do jogo. Foi o empate escusado, dada a diferença de qualidade entre as duas equipas.

A passagem consumou-se e o Benfica enfrenta agora o Getafe de Laudrup. Mas será preciso uma atitude diferente da apresentada frente ao Nuremberga para os encarnados ultrapassarem mais esta barreira rumo a Manchester com que tanto sonham.

662636_biglandscape.jpg

Sp. Braga 0 – Werder Bremen 1 (0-3)

O Sporting de Braga despediu-se das competições europeias, como de resto já se previa, ao ser derrotado, no conjunto das duas eliminatórias dos 16 avos-de-final, por 4-0. E a verdade é que os arsenalistas só se podem queixar de si próprios: ao desperdiçarem duas grandes penalidades na Alemanha, hipotecaram quase completamente as hipóteses de reverter o jogo nesta 2ª mão, realizada em Braga na última quinta-feira.

Mas, ainda assim, os bracarenses não desistiram e entraram no Estádio AXA motivados para marcarem, pelo menos, um golo. E procuraram-no. Nos primeiros 15 minutos, primeiro num cabeceamento de Paulo Jorge e depois num remate de Wender ao poste esquerdo, o Braga esteve perto de marcar. Pouco depois, o extremo brasileiro voltou a estar perto de festejar, à passagem do minuto 19, desta feita num desvio de cabeça que falhou por pouco o alvo. Aos 34 minutos, Hugo Almeida, num disparo fortíssimo, acertou em cheio na barra da baliza de Kieszek, e a partir deste momento, o Braga começou a perder força, e numa segunda parte sem grandes motivos de interesse – registe-se contudo a entrada de Matheus ao intervalo, que conferiu outra vivacidade e magia ao ataque bracarense – o Werder Bremen acabaria por encerrar de vez a questão, com Klasnic, isolado por um passe em profundidade, a colocar o esférico no fundo da baliza do guarda-redes polaco do Sp. Braga. Acabou aqui o sonho bracarense, que deve ainda assim orgulhar-se de nunca ter desistido pese embora todos os dessem como derrotados logo à partida.

662265_biglandscape.jpg

Bayern Munique 5-1 Aberdeen (2-2)

O Bayern Munique, um dos grandes favoritos a vencer a prova, respondeu da melhor forma a todos aqueles que criticaram o empate da primeira-mão. Apenas 12 minutos decorridos e Lúcio colocava os “bávaros” a vencer. Ainda antes do intervalo foi a vez de Van Buyten aumentar a contagem.

No segundo tempo, Podolski marcou por dois vezes, aos 71 e aos 77. Os escoceses ainda marcaram um tento de honra, por intermédio de Lovell, mas antes do fim Van Bommel fechava o resultado final em 5-1.

662594_biglandscape.jpg

Getafe 3-0 AEK Atenas (1-1)

Um jogo de particular interesse para o futebol português, nomeadamente para o Benfica, que disputará a os oitavos-de-final com o Getafe, vencedor desta eliminatória.

Após um empate a uma bola em Atenas, foram os espanhóis que entraram mais decididos a vencer o jogo. Porém, o jogo só chegaria no final da primeira parte, com Granero, ao segundo poste, a corresponder a melhor forma a um cruzamento de Contra.

Embora estivesse em desvantagem, a equipa grega, onde actuam os portugueses Geraldo e Manu – que não jogaram –, não conseguiu impor o seu jogo, permitindo ao Getafe dominar o encontro. Desse domínio, acabariam por surgir mais dois perto do final, através Contra, de grande penalidade, e de Braulio.

662522_biglandscape.jpg

Atlético de Madrid 0-0 Bolton (0-1)

Uma das surpresas da ronda. Apesar da derrota na primeira-mão pela margem mínima, todos esperavam que os “colchoneros” conseguissem anular a desvantagem no Vicente Caldéron.

Isso, contudo, não aconteceu, muito graças a boa estrutura defensiva por parte da equipa britânica, onde milita o português Ricardo Vaz Tê (não saiu do banco). A equipa de capital espanhola, que jogou sem Simão e Zé Castro, pode queixar, porém, da sorte e dos inúmeros golos falhados.

O Bolton foi mais feliz e será o próximo adversário do Sporting nos oitavos-de-final.

662675_biglandscape.jpg

Vilarreal – Zenit 2-1 (0-1)

Mais um resultado surpreendente: o Vilarreal foi incapaz de anular a derrota sofrida na Rússia, muito por culpa de Pogrebnyak, que colocou os russos a vencer no El Madrigal.

Os espanhóis, que precisavam de três golos para inverter a eliminatória a seu favor, pressionaram, mas o tento do empate só chegaria a quinze minutos do final, por intermédio de Guille Franco. Já sobre o apito final, o dinamarquês Tomasson marcava o tento da vitória para o Vilarreal, que, todavia, era insuficiente para continuar na prova.

662166_biglandscape.jpg

Bayern Leverkusen 5-1 Galatasaray (0-0)

Depois do nulo verificado na primeira mão, os alemães, esmagando por completo o Galatasaray.

No espaço de dois minutos, o Leverkusen colocava-se confortavelmente em vantagem, primeiro, aos 12, por Barbarez, e um minuto depois, através Kiessling. Dez minutos depois, Barbarez bisaria na partida.

Na segunda parte, continuou o massacre germânico, com Haggui aos 55 e Schneider, de grande penalidade, seis minutos depois. Antes do final, os turcos marcaram o golo de honra, graças a uma grande penalidade convertida por Barusso.

662440_biglandscape.jpg

Bordéus 1-1 Anderlecht (1-2)

Os belgas traziam uma vantagem mínima e pouco segura, porém aguentaram-se muito bem. A missão da equipa do Anderlecht ficou facilitada aos 34 minutos, quando Chatelle inaugurou o marcador a favor dos belgas.

Os “girondinos” precisavam de marcar dois golos para, pelo menos, empatar a eliminatória, por isso vieram para o segundo tempo decididos a dar a volta aos acontecimentos. No entanto, aquilo que a formação conseguiu foi apenas o empate, por intermédio Cavenaghi. Os belgas não ficaram a ver os franceses no ataque e podiam ter decidido prontamente a eliminatória, valendo ao Bordéus o guardião Ramé.

662430_biglandscape.jpg

Everton 6-1 Brann (2-0)

Na primeira-mão, a equipa de Manuel Fernandes e Nuno Valente já tinha demonstrado que era superior, com a uma vitória confortável. No segundo jogo, a equipa de Liverpool não se pôs com rodeios e aplicou uma goleada das antigas.

Com Nuno Valente a titular e Manuel Fernandes suplente utilizado, Yakubu fazia aos 32 minutos o seu primeiro de três golos numa noite. Jonhson, antes do intervalo, aumentava para 2-0.

Na segunda parte assistiu-se a mais quatro golos ingleses, com um golo norueguês pelo meio. Yakubu marcou por mais duas ocasiões (aos 54 e 72), e Arteta atirou a bola para dentro das redes por duas vezes (71 e 92). O tento de honra do campeão norueguês seria marcado por Vaagan Noen, aos 60 minutos.

662179_biglandscape.jpg

Hamburgo 0-0 Zurique (3-1)

O Hamburgo já tinha conseguido uma importante vantagem no primeiro encontro e, portanto, limitou-se a gerir o resultado.

Os suíços foram atrás de tentar anular a desvantagem trazida do jogo da primeira-mão, mas nunca realmente criaram calafrios aos alemães, que poderiam ter aumentado a vantagem na eliminatória.

662234_biglandscape.jpg

Panathinaikos 1-1 Glasgow Rangers (0-0)

O nulo do primeiro jogo abria boas perspectivas para a equipa treinada por José Peseiro. O jogo até começou bem para os gregos, que, com Hélder Postiga a titular, obrigou o adversário a jogar no seu último reduto. Aos 12 minutos, Goumas ponha o Panathinaikos em vantagem no jogo e na eliminatória.

No segundo tempo, os gregos não entraram tão pressionantes e consentiram algum domínio à equipa escocesa, que viria a empatar o jogo a oito minutos do final, por intermédio de Novo, que, com este golo que ditou a eliminação do Panathinaikos, gelou o Apóstolos Nikolaidis.

662565_bigportrait.jpg

Helsinborg 1-2 PSV Eindoven (0-2)

A vantagem trazida de Eindoven já era confortável e tornou-se mais cómoda quando Bakkal colocava os holandeses com uma vantagem ainda mais segura. Aos 65 minutos, Lazovic dava mais um impiedoso golpe nas já escassas aspirações finlandesas.

Os nórdicos acabariam por marcar o seu tento, já perto do final, com Leandro Castan a corresponder da melhor forma ao canto de Anderson.

662389_biglandscape.jpg

Tottenham 1-1 Slavia de Praga (2-1)

A vitória na capital checa na primeira-mão dava alguma margem de manobra à equipa de Juande Ramos. O golo de O’Hara, aos 7 minutos, só veio deixar a equipa londrina mais descansada.

Os “Spurs” procuravam um segundo golo, que não aconteceu. Seriam, no entanto, os checos em contra-ataque que chegariam ao empate, com uma fabulosa assistência de Daniel Pudil para Krajcik. Apenas a um golo de empatar a eliminatória, o Slavia pressionou até final, a obrigar Paul Robinson a fazer um punhado de boas, que garantiram a vantagem na eliminatória.

662418_biglandscape.jpg

Fiorentina 2-1 Rosenborg (1-0)

A formação da Florença não teve muitos problemas em eliminar o Rosenborg. Da primeira-mão trazia uma vitória pela margem mínima da Noruega, e Liverani, regressado de uma lesão, ponha os italianos ainda mais perto dos oitavos-de-final.

A nove minutos do final da partida, Cacia pôs um ponto final na eliminatória, ao corresponder da melhor forma a um cruzamento de Manuel Pasqual. Ainda houve tento para o tento de honra dos visitantes, por Koné.

662185_bigportrait.jpg

Spartak 2 – 0 Marselha (0-3)

A vantagem trazida de Marselha parecia preciosa, mas acabou por não ser anulada por pouco. Os russos inauguraram o marcador aos 39 minutos, através de Pavlenko.

Na etapa complementar, a equipa da capital russa acreditou sempre que era possível levar, ao menos, o jogo para prolongamento. No entanto, os gauleses resistiram à pressão e não permitiram que o Spartak criasse muitas oportunidades de perigo. Os russos acabariam por marcar um segundo golo, num remate à queima-roupa de Pavlyuchenko. Até final, foi o tudo por tudo moscovita para igualar a eliminatória; em vão, porém.

Fonte: UEFA
Fotos: Record/UEFA

Anúncios

Liga dos Campeões: Oitavos-de-final – primeira-mão

Fevereiro 24, 2008

Miguel Pereira

Disputou-se a primeira-mão dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, numa ronda sem muitas surpresas. No que diz respeito ao único clube português em prova, o FC Porto, a sorte não teve do lado dos comandados de Jesualdo Ferreira.

porto.jpg

Schalke 04 1-0 FC Porto

O FC Porto não foi feliz no regresso a Gensenkirchen. Estavam decorridos 4 minutos quando Kevin Kuranyi introduzia a bola dentro da baliza de Helton. Em desvantagem, os bicampeões nacionais tiveram de ir atrás do prejuízo.

Na segunda parte, a equipa mostrou-se mais afoita, e Lisandro teve a centímetros do empate.

Os “dragões”, com claras hipóteses de seguir em frente, têm de anular esta desvantagem dia 5 de Março, no Estádio do Dragão.

real-madrid.jpg

AS Roma 2-1 Real Madrid

Um dos resultados mais surpreendentes da jornada. No entanto, as coisas até começaram bem para os “merengues”, que aos 8 minutos inauguraram o marcador, com um golo do capitão Raúl. O Real Madrid continuou a dominar e esteve perto de ampliar a vantagem. Porém, seriam os romanos a chegar ao empate, através de Pizarro.

No segundo tempo, a Roma, que estava em desvantagem na eliminatória, partiu mais ofensiva. Mancini, aos 58 minutos, marcaria o golo da vitória da formação italiano, que permite aos comandados de Luciano Spalletti levar uma pequena vantagem para o Santiago de Bernabéu.

chelsea.jpg

Olympiacos 0-0 Chelsea

Com Ricardo Carvalho a titular, que teve uma boa oportunidade para marcar na segunda parte, o Chelsea conseguiu um empate a zero em Atenas, que abre boas perspectivas para a formação londrina continuar em prova.

Perante um adversário que não se intimidou por defrontar estrelas de reconhecimento mundial, como Drogba, Lampard e Essien, os “blues” tiveram boas ocasiões para marcar, contudo as melhores as oportunidades acabaram por pertencer aos gregos.

Apesar de o nulo deixar a eliminatória em aberto, o empate acaba por ser mais favorável à equipa de Avram Grant.

inter.jpg

Liverpool 2-0 Inter

Os vice-campeões europeus superiorizaram-se perante o bicampeão italiano, conseguindo uma boa margem para o jogo da segunda-mão.

O Inter, com Figo e Maniche no banco, nunca conseguiu impor o seu jogo e depois da expulsão de Materazzi, as coisas ficaram ainda mais complicadas para a formação de Roberto Mancini.

Os golos só aparecem perto do final partida, primeiro por Kuyt, aos 85, e depois o capitão Gerrard selava a vitória.

barcelona.jpg

Celtic 2-3 Barcelona

Um dos melhores jogos desta ronda, com incerteza no resultado até final. Foram os escoceses a marcar primeiro, através de uma boa jogada Venneger. Contudo, o génio de Messi não demorou a aparecer e o prodígio argentino empataria a partida dois minutos depois. Ainda antes do intervalo, Robson colocava os anfitriões novamente em vantagem.

No segundo tempo, o Barcelona foi atrás do prejuízo e Henry, aos 52 minutos, numa execução fantástica, restabelecia a igualdade. A 11 minutos do final, mais uma vez Messi fazia o gosto ao pé, marcando o golo que dá vantagem aos catalães para o jogo da segunda-mão.

manchester-united.jpg

Lyon 1-1 Manchester

O campeão francês e o campeão inglês não foram além de um empate a uma bola, que deixa os “red devils” em vantagem para a segunda-mão.

Depois de uma primeira parte dominado pelos comandados de Alex Ferguson, o intervalo pareceu fazer bem à equipa gaulesa, que voltou com outra fluidez na etapa complementar. E foram os hexacampeões franceses a se colocarem em vantagem, através de um portentoso remate de Benzema. O técnico dos “red devils” reagiu de imediato, ao colocar em campo Tévez e Nani, sendo os dois substitutos que construíram a jogada do empate: Nani cruza e Tévez conclui.

sevilha.jpg

Fenerbache 3-2 Sevilha

Os vencedores da Taça UEFA, com Duda a titular, perderam em Istambul, mas continuam boas hipóteses de continuar em frente na prova. O Fenerbahce, treinado por Zico, entrou melhor e colocou-se em vantagem aos 17, por intermédio de Kezman. Contudo, uma infelicidade de Edu, que introduziu a bola na própria baliza, permitiu aos sevilhanos empatarem.

Na segunda parte, foram os turcos novamente a entrar melhor e a marcar, desta feita por Lugano. Mais uma vez, porém, a formação espanhola voltaria a empatar a partida, graças a uma boa finalização de Escude. A três minutos dos 90, o Fenerbache marcaria o golo da vitória – que permite levar uma pequena vantagem para Sevilha –, por intermédio Senturuk.

milan.jpg

Arsenal 0-0 Milan

Um dos jogos mais esperados desta fase acabou sem golos. Os campeões europeus contaram com a inspiração do seu guardião, Zeljko Kalac, para sair com um resultado positivo do Emirates Stadium. A equipa de Arséne Wenger bem tentou, mas os milaneses fecharam todos os caminhos para a sua baliza.

Resultados e datas da segunda-mão:

Schalke – FC Porto 1-0 05/03
AS Roma – Real Madrid 2-1 05/03
Olympiacos – Chelsea 0-0 05/03
Liverpool -Inter 2-0 11/03
Celtic – Barcelona 2-3 04/03
Lyon – Man. United 1-1 04/03
Fenerbahçe – Sevilha 3-2 04/03
Arsenal – Milan 0-0 04/03

Fonte: UEFA
Fotos: Record

Análise Liga Vitalis: Vizela isolado no segundo lugar

Fevereiro 24, 2008

Miguel Pereira

O grande destaque da jornada 19 da Liga Vitalis vai para o empate do líder Trofense no reduto do Desportivo das Aves, a uma bola. Os homens de António Conceição perderam, assim, uma oportunidade para ficarem mais distantes do 3º classificado, o Rio Ave, que empatou, também a um golo no terreno do Gil Vicente.

Quem não ficou indiferente a estes resultados foi o Vizela, que conseguiu uma importante caseira diante do Varzim, alcançando o segundo lugar.

Um dos jogos mais interessantes da jornada ocorreu no Estádio de São Miguel, nos Açores, onde o Olhanense conseguiu uma vitória sobre o Santa Clara, que relança os comandados de Diamantino Miranda na luta pela subida. Num jogo com incerteza no resultado até final, o triunfo acabou por sorrir aos algarvios, por 3-2.

Outra que se relançou na luta pelo acesso à Bwin Liga foi o Estoril. A equipa orientada por Tulipa venceu concludentemente em Freamunde por 3-1 e está apenas a três pontos do segundo lugar.

Nos restantes jogos, O Penafiel venceu o Beira-Mar (1-0), O Fátima caiu para último lugar após derrota com o Feirense (0-2), e Portimonense abandonou a linha de água, após vitória ante o Gondomar (1-0).

vizela.jpg

Resultados da 19ªjornada:
Santa Clara 2-3 Olhanense
Penafiel 1-0 Beira-Mar
Freamunde 1-3 Estoril
Desp. Aves 1-1 Trofense
Vizela 3-0Varzim
Gil Vicente 1-1 Rio Ave
Fátima 0-2 Feirense
Portimonense 1-0 Gondomar

Classificação:
1 Trofense 35
2 Vizela 33
3 Rio Ave 31
4 Olhanense 30
5 Estoril 30
6 Gil Vicente 27
7 Freamunde 26
8 Varzim 25
9 Santa Clara 25
10 Beira-Mar 24
11 Feirense 23
12 Gondomar 21
13 Desp. Aves 19
14 Portimonense 19
15 Penafiel 17
16 Fátima 17

Análise Bwin Liga: Dragão firme e hirto

Fevereiro 24, 2008

Miguel Pereira

A jornada 19 da Bwin Liga não trouxe grandes novidades no topo de cima da tabela classificativa. Porto e Benfica venceram e, portanto, a vantagem do líder mantém-se igual. O Sporting também venceu e beneficiou da derrota do Vitória de Guimarães ante o Nacional para voltar ao terceiro lugar.

A jornada começou na sexta-feira, com o Marítimo, uma de fortes aspirações europeias, a receber o líder F.C. Porto. Depois de uma primeira parte dominada pelo verde-rubros, acabaria, porém, por ser a equipa de Jesualdo Ferreira a marcar, por intermédio de Lisandro. No segundo tempo, os bicampeões nacionais aproveitaram ao máximo a expulsão de Djalma para ampliar o resultado, com golos Tarik e, mais uma vez, Lisandro. Resultado final 3-0 favorável aos “dragões”, que assim se mantêm a vantagem de 10 ponto para o Benfica.

O segundo classificado, o Benfica, deslocou-se a Figueira da Foz, onde sentiu algumas dificuldades em derrotar o Naval 1º de Maio, por 2-0. Cristiano Rodríguez inaugurou o marcador no primeiro tempo e, já perto do final do jogo, Nuno Assis correspondeu da melhor a um passe de Sepsi e fechou a contagem.

O Sporting, por seu turno, não quis deixar os rivais se distanciarem ainda mais e venceu, também por 2-0, em Alvalade, o Estrela da Amadora. João Moutinho inaugurou o marcador aos 17 minutos. Na etapa complementar, os “leões”, que já jogavam com mais um jogador – Hélder Cabral foi expulso por acumulação de amarelos, aos 41 minutos – viram Nelson, antigo guarda-redes do Sporting, cometer penalty e ser expulso. No entanto, Polga falharia a grande penalidade. Quem não falhou acabou por ser Liedson que, perante tamanha oferta de Pedro Alves, fixou o resultado final.

Nesta ronda, destaque para o Nacional – Vitória de Guimarães, um jogo com diversas incidências. Em primeiro lugar, a maior parte do jogo acabaria por ser disputado no dia seguinte àquele que estava agendado, devido ao forte nevoeiro que se fazia sentir no Estádio da Madeira. Depois, e mais lamentável, foi que no final do jogo o técnico alvi-negro, Pedrag Jokanovic, foi tirar satisfações a Manuel Cajuda, treinador do Guimarães, sobre alegadas afirmações num jogo anterior entre as duas formações. Enfim, falemos apenas de futebol e no que o futebol diz respeito os madeirenses acabaram por vencer o jogo com um golo sem resposta.

Nos restantes jogos desta jornada, Leixões e Boavista empataram a dois golos, Paços de Ferreira empatou com a Académica a uma bola, o Setúbal foi vencer a Braga por 3-2 e, por fim, o Belenenses venceu em Leiria por 2-1.

imagens_107422.jpg

Resultados da jornada 19ª:
Marítimo-FC Porto, 0-3
(Lisandro 45’+2 e 83′, Tarik 71′)

Leixões-Boavista, 2-2
(Jorge Gonçalves, 74′, 80′; Obi 55′, Marcelão 88′)

Nacional-V. Guimarães, 1-0
(Fabiano 53′)

P. Ferreira-Académica, 1-1
(Wesley 90’+2; Lito 79′)

Sp. Braga-V. Setúbal, 2-3
(Linz 25′, Jaílson 90’+3; Robson 11′, Ricardo Chaves 41′, Elias 77′ )

Naval-Benfica, 0-2
(Rodríguez 18′, Nuno Assis 90’+3)

Sporting-E. Amadora, 2-0
(João Moutinho 17′, Liedson 77′)

U. Leiria-Belenenses, 1-2
(Harison 71′; Weldon 11′ e 69′)

Classificação:
1 – FC Porto 47
2 – Benfica 37
3 – Sporting 33
4 – V. Guimarães 31
5 – Belenenses 29
6 – V. Setúbal 28
7 – Marítimo 26
8 – Sp. Braga 25
9 – Nacional 25
10 – Boavista 23
11 – Leixões 20
12 – Académica 20
13 – Naval 19
14 – E. Amadora 18
15 – P. Ferreira 16
16 – U. Leiria 8

Foto: Record

Porto e Candelária perto da final-four

Fevereiro 24, 2008

Miguel Pereira

O hexacampeão nacional de hóquei em patins, o FC Porto, está a um passo de estar presente final-four da Liga Europeia, que se disputará no próximo de Maio, em Barcelona. Após goleada ante os italianos do Prado, por 10-1, os “dragões” partem para a última jornada com mais três pontos de vantagem sobre os espanhóis do Vic.

21453.jpg

O Candelária também está em boa posição para estar na final-four, depois de vencer, na Dinamarca, o Cronenberg, por 5-0, bastando agora aos açorianos um empate diante do Réus, na última jornada para garantir a qualificação.

Já eliminado, o Óquei de Barcelos apenas cumpriu calendário. Mesmo assim, não facilitou e venceu os italianos do Bassano, por 4-2. Na última jornada, os barcelenses deslocar-se-ão ao reduto do Liceo da Corunha.

Na Taça CERS, a sorte não esteve do lado do Portosantense, que foi derrotado em casa pelo Valdagno, de Itália, por 3-2, na primeira-mão dos quartos-de-final.

A última jornada da fase de grupos de Liga Europeia, bem como a segunda-mão da Taça CERS, disputa-se a 15 de Março.

Fonte: O Jogo, Infordesporto
Foto: Site Oficial do FC Porto

Falemos então de desporto: Difícil mas não impossível

Dezembro 19, 2007

Miguel Pereira*

Terminada mais uma fase de grupos da Liga dos Campeões, podemos fazer um balanço melhor que o do ano passado. Uma equipa qualificada para os oitavos-de-final e duas que continuam nas competições europeias.

O bicampeão nacional, FC Porto, era quem tinha o grupo mais acessível. Portanto, não foi com muita surpresa que conseguiu a qualificação para a fase seguinte. No entanto, o que é de destacar na prestação portista foi o importante primeiro lugar alcançado, à frente do poderoso Liverpool, que dá mais margem de manobra aos campeões nacionais para a fase que se segue. Em minha opinião, os comandados de Jesualdo Ferreira tem todas as condições para obter a qualificação para os quartos-de-final, pois, à excepção de Arsenal, o FC Porto é claramente superior às restantes equipas que lhe podem sair no sorteio. Se os “dragões” consumarem a passagem aos quartos-de-final, a partir daí, só resta sonhar.

Em relação ao Sporting, há que concordar com Paulo Bento quando este diz que “os jogos com a Roma foram decisivos para as contas finais do grupo”. Sabia-se que – após perspectivar os resultados que acabaram por ocorrer ante o Manchester United e Dinamo Kiev – que os jogos com italianos iriam determinar se o Sporting estaria na fase seguinte ou não. A sorte, porém, não acompanhou os “leões”, nomeadamente em Alvalade, e a passagem aos oitavos-de-final ficou pelo caminho.

No que concerne ao Benfica, uma pré-época complicada, que culminou com a saída de Fernando Santos e a, consequente, entrada de José António Camacho para o comando técnico. O técnico espanhol encontrou uma equipa nova, com poucas rotinas de jogo. A sorte acabou por não acompanhar os “encarnados”, que, apesar de boas exibições com o Milan e o Celtic, ficaram-se pelo terceiro lugar. Ainda conseguirão os objectivos mínimos, o que muitos perspectivavam impossível, sob uma temperatura de 10º negativos.

Para os rivais de Lisboa, apenas resta dar o seu melhor na Taça UEFA. Vencer a competição é difícil, tendo em conta o valor de adversários como o Bayern Munique, Atlético de Madrid e Werder Bremen, mas não impossível, e recorde-se que ambos os emblemas já foram finalistas da UEFA no passado.

Para uma melhoria da posição portuguesa no Ranking da UEFA era importante que o Sp. Braga se juntasse a Sporting e Benfica na próxima eliminatória. Os bracarenses têm obrigatoriamente de vencer o Estrela Vermelha para estarem presentes dezasseis-avos-de-final e, tal como os restantes emblemas nacionais, sonhar em alcançar algo que é difícil, mas não impossível.

*Editor de Desporto

Milan vence titulo de melhor do mundo

Dezembro 19, 2007

João Fragata

Muitos já o diziam que sim, e essa teoria começa a comprovar-se cada vez mais depois do Milan ter vencido mais uma competição. Desta vez, os italianos, com a grande ajuda de Kaká, levaram de vencida o Boca Juniors por 4-2, vencendo o Campeonato Mundial de Clubes, sendo a 1ª equipa europeia a ganhar desde a sua reestruturação.

imagens_106985.jpg

Depois de já se ter chamado Taça Intecontinental e Taça Toyota, o campeonato mundial de clubes une agora todos os campeões dos vários continentes.

Este ano os participantes foram o Urawa Reds, que participou como sendo o campeão da liga onde o campeonato teve lugar (Japão) abrindo vaga ao vice-campeão da Ásia, o Sepahan do Irão. Participaram também o Milan como Campeão Europeu, o Boca Juniors como campeão Americano, o Pachuca como vencedor da Taça Concacaf, o Étoile du Sahel como campeão de Africa e ainda o Waitakare United, campeão da Oceania.

No jogo preliminar o Sepahan venceu o Waitakare por 3-1 e qualificaram-se para os Quartos de Final. Aí defrontaram e perderem com os anfitriões Urawa Reds pelo mesmo resultado enquanto o Etoile du Sahel venceu os mexicanos do Pachuca pela margem mínima, por 1-0.

Nas meias-finais entraram os campeões europeu e americano e ambos venceram por apenas 1-0. O Boca Juniors venceu o Etoile du Sahel com um golo de Neri Cardozo enquanto que os campeões europeus venceram os Urawa Reds com um golo do holandês Clarence Seedorf.
No jogo do apuramento dos 3º e 4º lugares os japoneses, a jogarem em casa conseguiram o 3º lugar vencendo nas grandes penalidades por 4-2, depois do jogo ter acabado empatado 2-2.

Na final o Milan dominou o Boca e venceu por 4-2, com golos de Inzaghi (2), Nesta e Kaká, enquanto que o Boca beneficiou de um auto golo de Ambrosini e marcou por Palacio. O Milan torna-se assim o campeão Mundial. Kaká mostrou que continua em alta, ter sido “responsável” pela vitória dos italianos, e depois de ter ganho a Bola de Ouro, foi considerado o melhor jogador da final e do torneio.

Era uma vez … Kaká

O jovem jogador brasileiro continua a provar porque é considerado por muitos (incluindo a France Football) como o melhor jogador do mundo e a mostrar que é peça fundamental no Campeão euroepeu.

Desta vez o jogador fez uma exibição de luxo contra os argentinos do Boca Juniors e foi o principal responsável pela vitória dos italianos no campeonato mundial de clubes.
O Milan entrou bem no jogo e logo aos 21’ Kaká (quem mais) abriu o festival, fazendo um grande passe depois de insistência para o veterano Inzaghi que continua a mostrar que é um dos grandes avançados mundiais.

Contudo, logo de seguida Rodrigo Palacio reduziu de cabeça após a marcação de um canto.
Depois do intervalo, o Milan mostrou a sua superioridade e logo aos 50’ Nesta após um livre de Ambrosini marcou um grande golo e colocou o Milan novamente na frente.

Mas Kaká queria mostrar que não se tinha ficado pelo passe do golo e depois de uma grande jogada que merecia golo, redimiu-se aos 61’ numa jogada individual, a correr uma boa parte do campo argentino até finalizar e colocar o resultado em 3-1.

Logo depois aos 70’ o brasileiro continuou a mostrar o seu talento, desmarcando de novo “Pipo” Inzaghi, deixando o italiano com nada para fazer sem ser empurrar para o fundo da baliza.

O Milan vence assim pela primeira vez o campeonato mundial de clubes desde a sua reformulação e torna-se assim no campeão Mundial, muito graças ao talento de Kaká.

Foto: Record

Porto vence grupo, Sporting despede-se com vitória

Dezembro 19, 2007

Filipa Lopes

O FC Porto é o único clube português que continua a lutar pelo ceptro de Campeão da Europa, depois de vencer o Besiktas por 2-0 no Estádio do Dragão e garantir o 1º lugar de um grupo onde o grande favorito, o Liverpool, se quedou em 2º lugar. Ao Sporting, depois de garantida a presença na Taça UEFA, mal menor, graças à vitória, na jornada anterior, da Roma sobre o Dínamo de Kiev, restava apenas a procura da vitória no jogo contra os ucranianos como forma de garantir prestígio e enriquecer os cofres do clube. Conseguiu-o, tal como já tinha conseguido o Benfica, na semana anterior, ao derrotar por 2-1, fora, os também ucranianos do Shaktar Donetsk, carimbando dessa forma a presença na segunda prova clubística mais importante do Velho Continente.

champions.png

Nos oitavos, os «clientes do costume»

Sem espinhas. Assim se poderá classificar o trajecto do FC Porto nesta 1ª Fase de grupos da Champions League. Apesar da surpreendente e pesada derrota, por 4-1, em Anfield Road, na penúltima jornada da competição, os portistas foram a equipa mais consistente do grupo, aquela que melhor futebol praticou e a que mais mereceu, por isso, a conquista do 1º lugar do grupo A.

O jogo com o Besiktas começou morno. Os jogadores portugueses sabiam que o empate bastava para alcançar os oitavos-de-final da prova, e apostaram num jogo algo contido, apesar de Quaresma e Tarik terem proporcionado a Rustu, aos 3’ e 4’ minutos respectivamente, as primeiras grandes defesas da noite. Os turcos não aproveitaram a pouca agressividade portista, ou não o souberam fazer, e já ao cair da 1ª parte, após novas grandes defesas do guarda-redes turco a remates de Bosingwa, o FC Porto beneficiou de um erro infantil de Rustu, que encarnou por alguns segundos em fiscal-de-linha, para fazer o 1-0 por intermédio de Lucho González e sossegar os 39.000 corações azuis que vibravam no Estádio do Dragão.

A partir daqui, tudo se tornou mais fácil. O Besiktas voltou, após ao intervalo, com vontade de mudar o jogo, mas nunca apresentou argumentos para tal. Ainda ameaçou, logo no primeiro minuto, com um remate de Serdar Ozkan superiormente defendido por Helton, mas seria o FC Porto a matar de vez a partida, aos 66 minutos, com um bonito golo do inevitável Quaresma.

Após garantida a tranquilidade, Jesualdo Ferreira deu ainda minutos de jogo a Hélder Postiga, a Marek Cech e a Bollati, e o jogo desenrolou-se até ao final sem incidências de maior.
Estavam garantidos assim os 11 pontos (3 vitórias, 2 empates e 1 derrota), que permitem agora ao FC Porto evitar o confronto com grandes equipas europeias como o Inter de Milão, o Real Madrid ou o Manchester United (vencedor do grupo do Sporting).

E já que se fala em Sporting…

Num Estádio de Alvalade meio despido (apenas 19.000 espectadores compareceram à despedida do Sporting da Champions – o pior registo de sempre para esta competição no novo Alvalade) o Sporting venceu o Dínamo de Kiev por 3-0 e mostrou que, com um pouco mais de sorte e experiência, poderia ter alcançado outros resultados nesta competição.

Sem nada a perder e ainda com algum dinheiro a ganhar, a equipa de Paulo Bento entrou em campo com 3 modificações face à equipa apresentada no jogo com o Louletano, para a Taça de Portugal: Miguel Veloso e Romagnoli, habituais titulares, cederam os seus lugares a Adrien Silva e Farnerud, enquanto Liedson voltou à equipa após castigo do treinador, ocupando o lugar de Simon Vukcevic.

E foi o Sporting quem assumiu sempre o controlo do jogo, mas não o domínio. Jogando quanto baste, foi acumulando oportunidades de golo desperdiçadas por Purovic até que, aos 35’ minutos, Liedson sofreu uma carga evidente na grande área e o árbitro assinalou de imediato penalty. Anderson Polga redimiu-se da falha contra a União de Leiria e assinou o seu primeiro golo em Alvalade, o 2º na Liga dos Campeões e, curiosamente, o 2º frente do Dínamo de Kiev.

Após o intervalo, o Sporting perdeu o domínio de jogo e o Dínamo ainda chegou a ameaçar a baliza de Rui Patrício, mas aos 67’ minutos, João Moutinho, o capitão de equipa, devolveu a estabilidade aos colegas, ao rematar para o fundo das redes de Lutsenko, colocando o marcador em 2-0. Dez minutos depois, e após suberbo cruzamento de Miguel Veloso, que entretanto ocupara o lugar de Ronny na lateral esquerda, Purovic, de cabeça, quase fez o 3-0, mas Gravancic tirou a bola quase sobre a linha de baliza e evitou que o avançado montenegrino se estreasse a marcar na Champions.

Mas o jogo não acabaria sem novo golo e sem um grande susto: Aos 89 minutos, após grande lançamento de Vukcevic, Liedson fica na cara do guarda-redes Lutsenko e marca o seu quarto golo na Liga dos Campeões. O avançado leonino e o guardião, que se tocaram na disputa do lance, necessitam ser assistidos pelas respectivas equipas médicas e o brasileiro do Sporting tem mesmo que abandonar o jogo, com fortes queixas no joelho. O jogo chegaria ao fim 4 minutos depois.

Na presente edição da “Champions” o Sporting venceu os dois jogos com o Dínamo de Kiev, empatou em casa com a AS Roma, e perdeu na visita à equipa romana e nos dois encontros com o Manchester United, totalizando 7 pontos e alcançando a sua melhor prestação na história da competição.

Pré-convocados já são conhecidos

Dezembro 19, 2007

João Fragata

Já saíram os pré-convocados, bem como as datas dos estágios, jogos de preparação e jogos de qualificação para o Play-Off do Campeonato do Mundo de 2009. Os jogadores portugueses não vão poder abusar muito nos festejos do Natal, visto que se juntam no dia 26, para iniciarem a preparação para (esperemos) se qualificarem no Play-Off.

andebol.jpg

Portugal está no grupo 6 da qualificação para o Play-Off para o Mundial de 2009 na Croácia. Para isso terá que se bater com a Macedónia e com a Bulgária. Para se preparar para o combate com as congéneres de leste, os jogadores Portugueses iniciam um estágio no dia a seguir ao Natal, que se prolongará até dia 27 na Costa da Caparica. De seguida, seguirão para a Suíça onde participarão na Yellow Cup para participarem na Taça juntamente com Tunísia, Bosnia-Herzegovina, para além da anfitriã.

Como não festejam o Natal, também não se vão poder exceder no Ano Novo, pois entram de novo em estágio no dia 1 de Janeiro, para depois a dia 3 jogarem com a Bulgária no Peso da Régua e a dia 6 em Varna.

Depois entram mais uma vez em estágio de dia 10 até dia 15, no qual se inclui a participação na Posten Cup na Noruega. Seguidamente partem para a Macedónia para continuar a caminhada para o Play-Off. No dia 17 de Janeiro jogam em Skopke e dois dias depois encontram-se outra vez em Guimarães.

A pré-convocatória dos Selecionadores Mats Olsson e Thomas Sivertsson é composta por 24 jogadores, com a particularidade de um terço dos jogadores serem do FC Porto. Para além dos dois técnicos, os jogadores serão avaliados e apoiados de perto por Luis Pinto, o fisioterapeuta e ainda o secretário técnico José Casaleiro.

Os convocados são:
1 HUGO FIGUEIRA – BELENENSES
2 RICARDO CANDEIAS – FC PORTO
3 JOÃO FERREIRINHO – BENFICA
4 DARIO ANDRADE – ABC BRAGA
5 PEDRO SOLHA – FC PORTO
6 JOSÉ COSTA – ABC BRAGA
7 MANUEL AREZES – FC PORTO
8 TIAGO ROCHA- FC PORTO
9 RICARDO MOREIRA – FC PORTO
10 JORGE SOUSA – S. BERNARDO
11 DAVID TAVARES – ALMERIA
12 RICARDO COSTA – ADEMAR LEON
13 HUGO ROCHA – ABC BRAGA
14 ÁLVARO RODRIGUE S – FC PORTO
15 NUNO PEREIRA – S. BERNARDO
16 JOÃO LOPES – BENFICA
17 BOSKO BJELANOVIC – FC PORTO
18 LUÍS BOGAS – ABC BRAGA
19 CARLOS CARNEIRO – BENFICA
20 NUNO ROQUE – SPORTING
21 CARLOS MARTINGO – FC PORTO
22 JOÃO PINTO – SPORTING
23 EDUARDO SALGADO – ISAVE
24 INÁCIO CARMO – S. BERNARDO

Sem grandes surpresas

Dezembro 19, 2007

Miguel Pereira

Uma eliminatória sem surpresas. Os grandes continuam em prova, bem como todas as equipas todas as equipas da Bwin Liga que defrontaram clubes de escalão inferior. Sensação apenas no Sertanense – Portimonense, onde a equipa da Sertã, que milita na terceira divisão eliminou o Portimonense, da Liga Vitalis, com um resultado de 2-1, após prolongamento.

taca.gif

Na noite de sexta-feira, o bicampeão nacional, FC Porto, entrou em acção em Chaves. Contra uma equipa da II Divisão, era preciso apagar os fantasmas do Fátima e do Atlético. Os “dragões” foram naturalmente superiores, com Hélder Postiga e Adriano a traduzirem o favoritismo portista em golos.

No sábado, foi a vez do Sporting, mergulhado numa crise, golear, por 4-0, o Louletano, também da II Divisão. Com Liedson fora dos eleitos de Paulo Bento, foi a vez de Purovic brilhar, com dois golos. Nesse mesmo dia, Nacional e Leixões impuseram a sua experiência e golearam Cova da Piedade e Torreense, respectivamente. Num confronto entre equipas do escalão maior do futebol português, a lotaria dos penalties acabou por ser favorável ao Paços de Ferreira, no Estádio do Restelo.

Para o domingo ficaram os restantes jogos. Destaque para as imensas dificuldade sentidas por Braga e Estrela da Amadora em eliminar Camacha e Fátima, respectivamente, bem como para o vitória do Benfica ante a Académica, com dois de Cardozo, que começa a justificar o investimento feito na sua contratação.

A próxima eliminatória está marcada para 20 de Janeiro.

Eis a lista completa dos resultados:

Chaves 0-2 FC Porto
Leixões 4-0 Torreense
Nacional 5-0 C. Piedade
Sporting 4-0 Louletano
Belenenses 2-2 (4-5)g.p. P. Ferreira
Atlético 0-1 V. Guimarães
Oliveirense 4-0 Mondinense
Operário 0-1 (a.p.) V. Setúbal
Valdevez 3-1 (a.p.) U. Tocha
Serzedelo 0-3 Naval
Feirense 4-1 Lusitânia
Real 0-1 Desp. Aves
Carregado 1-2 Olhanense
Lagoa 3-2 Santa Clara
Infesta 1-2 Juv. Évora
Messinense 0-2 (a.p.) Gil Vicente
Moreirense 4-0 Machico
Beira-Mar 0-0 (3-2)g.p. Moncorvo
Abrantes 0-0 (6-5)g.p. Monsanto
Anadia 1-0 Freamunde
Sertanense 2-1 (a.p.) Portimonense
Penafiel 2-1 Vizela
U. Leiria 2-0 Nelas
Est.Amadora 4-2 (a.p.) Fátima
Camacha 2-3 Sp. Braga
Rio Ave 6-1 Rebordosa
Benfica 3-1 Académica

Falemos então de desporto: E se reclamassem menos e apoiassem mais

Dezembro 12, 2007

Miguel Pereira*

O Sporting Clube de Portugal está em crise. É impossível negar. Maus resultados, aliados às fraquíssimas exibições, fazem com que não haja paz no reino de leão e Paulo Bento tem razão quando diz que o seu “estado de graça acabou”.

A verdade é que treinador leonino pouco pode fazer. Saíram jogadores importantes e aqueles que vieram parecem não dar conta do recado. No ano passado, o Sporting foi a equipa com a melhor defesa da Europa, algo que muito dificilmente acontecerá este ano, muito devido às saídas de Tello e Caneira, dois dos pêndulos que davam segurança á defesa sportinguista.

Outro facto que está à vista de todos é a fraca produtividade do ataque leonino. Como sabemos, Liedson é um jogador rende mais se tiver alguém ao seu lado. Este ano, o companheiro do atacante brasileiro parecia ser Derlei. O experiente avançado, que até estava a realizar um bom início de temporada, teve o azar, porém, de se lesionar com gravidade. Como tal, Liedson ficou sem o seu melhor companheiro de ataque e parece por demais evidente que Purovic e Yannick Djaló não servem para jogar ao lado do “levezinho”.

Portanto, conclui-se que Paulo Bento, com as cartas que tem, pouco pode fazer. Sem bons jogadores, não há resultados, sendo por isso que as exibições do Sporting têm ficado a desejar.

Para que seja atenuado esta crise que se vive para os lados de Alvalade, é preciso que os adeptos apoiem a equipa. Porém, uma certa facção da Juve Leo arranjou argumentos ridículos para protestar, indo buscar, inclusive, atitudes do actual capitão leonino quando este tinha apenas … sete anos.

Costumam dizer que nos maus momentos é que vemos os nossos amigos. Por isso, podemos concluir que o amor que essa facção da Juve Leo sente pelo seu clube, por todos argumentos ridículos que utilizaram para o seu protesto, é destituído de amizade.

*Editor de Desporto

Análise Liga Vitalis: Empatados de novo

Dezembro 9, 2007

Miguel Pereira

Após a 12ª jornada, o primeiro lugar da Liga Vitalis volta a ser partilhado pelo Vizela e o Rio Ave. Os vila-condenses não foram além de um empate em casa ante o Trofense, algo que foi aproveitado pelo Vizela, que recebeu e venceu o Desp. Aves por 2-0, para igualar a equipa de Vila do Conde na liderança.

Quem se está a aproximar dos lugares cimeiros é o Gil Vicente, que derrotou o Freamunde com um golo sem resposta. Os gilistas estão no quarto lugar, á frente do Santa Clara, que voltou a perder, desta feita na Povoa do Varzim, por 3-1.

Destaque negativo para Beira-Mar, Olhanense e Estoril, que se começam a distanciar dos lugares que dão acesso à subida. Os aveirenses perderam em Gondomar por uma bola a zero, os “canarinhos” foram derrotados em Santa Maria da Feira (2-1), enquanto que a equipa de Olhão não consegui levar a melhor perante o rival Portimonense, que conseguiu a primeira vitória no campeonato, perdendo por 2-1.

No jogo que ainda não referir, o Penafiel parece dar mostrar de recuperação na tabela, depois de mais uma vitória, a segunda consecutiva, ao vencer em Fátima com três golos sem resposta.

Para a próxima jornada, o Rio Ave desloca-se ao reduto do Varzim, uma equipa que já se assumiu como candidata à subida, e o Vizela vai até Freamunde.

Vídeo: Tv Golo

Análise Bwin Liga: As trivelas também decidem clássicos

Dezembro 9, 2007

Miguel Pereira

Um lance de génio, concluído com uma trivela, foi suficiente para decidir o clássico entre Benfica e Futebol Clube do Porto. Num jogo dominado pelos “dragões”, Ricardo Quaresma decidiu o jogo. Com este resultados, os portistas aumentaram para sete pontos a vantagem que os distancia do Benfica.

Quem poderia aproveitar o resultado do clássico, era o Sporting, que, no entanto, não foi além de um empate a uma bola, em casa, ante o último classificado, União de Leiria. O Vitória de Guimarães, por seu turno, aproveitou o deslize dos leões para chegar ao terceiro, após uma vitória suada, por 2-1, ante a Académica.

Num jogo bem disputado entre candidatos à Europa, o Braga acabou por levar a melhor sobre o Marítimo, vencendo por 2-1, e ascendeu ao sexto lugar no campeonato.

Um destaque nesta jornada vai para a Naval. Os comandados de Ulisses Morais conseguiram, pela primeira vez na sua história, três vitórias consecutivas. Desta feita, a vítima foi o Paços de Ferreira, que não conseguiu a evitar a derrota por 2-1.

Nos restantes jogos, o Nacional e Estrela da Amadora receberam e venceram o Boavista e Leixões, respectivamente, com dois golos sem resposta e Setúbal e Belenenses empataram a uma bola.

Após uma paragem, devido a uma eliminatória da Taça, a próxima jornada reserva-nos alguns bons encontros: o Porto recebe o Vitória de Guimarães, que é terceiro classificados, o Sporting desloca-se à Madeira, para jogar com o Marítimo, e o Benfica tem uma pequena viagem até o Restelo, a fim de enfrentar o Belenenses.

Vídeo: Tv golo

Euro’2008: Sorteio da fase final

Dezembro 9, 2007

João Fragata

Depois de saber os adversários do apuramento para o Mundial’2010, Portugal ficou a saber os adversários do grupo do Euro’2008 que se realizará na Áustria e Suiça. E não se podem queixar muito.

euro2008_logo.jpg

A verdade é que a sorte até sorriu um pouco à nossa selecção. Primeiro, vamos jogar na Suíça, país muito preenchido por emigrantes portugueses, que poderão apoiar a nossa selecção como jogasse em casa. Depois porque podíamos ter calhado num grupo com Itália, Holanda e França (o que até era bom para o espectáculo) e não calhámos.

Portugal ficou no grupo A juntamente com a Turquia, a República Checa e a anfitriã Suiça. Um grupo teoricamente acessível, se Portugal jogar no seu máximo. Quem não se lembra da vitória à Turquia no Euro 2000? Claro que também podemos lembrar da derrota com a Rep.Checa no Euro’96, com aquela chapelada do nosso conhecido Poborsky. Mas o futebol faz-se do momento, e do futuro e não do passado. Embora sejam selecções de valor, ou não estariam entre as 16 melhores da Europa, a nossa Selecção tem a obrigação de passar este grupo.

No grupo B temos a outra anfitriã Áustria com a Croácia, a Alemanha e ainda a Polónia. Podemos ver grandes jogos neste grupo, principalmente Alemanha-Polónia e o confronto entre croatas e polacos. Contudo, temos um elo mais fraco. A equipa menos cotada do ranking da Uefa (até os adeptos queriam que a selecção deles não jogasse) pode estar a um passo de perder todos os jogos em casa. Mas no futebol o que existem mais são surpresas e duvido que este Europeu não as tenha.

No grupo C, o grupo do espectáculo. Muitos consideram-no de morte, mas vai ser muito bom ver tão bons jogos logo na fase de grupos. A campeã mundial Itália junta-se a finalista do mundial França (será que vai haver vingança?), à Holanda e à Roménia. Logo a início podia-se pensar que a Roménia era já o alvo a abater, mas basta ir a 2000 para perceber que já estão habituados a jogar em grupos desses. Na altura calhou-lhes Portugal, Alemanha e Inglaterra, e a verdade é que os romenos apuraram-se para os quartos de final, onde curiosamente perderam com a Itália. Por isso, pode-se contar com bom espectáculo com alguns dos melhores jogadores do mundo a jogarem uns contra os outros.

Por fim no grupo D temos a campeã europeia em título Grécia, Espanha, Suécia e Rússia. Espanha está um pouco como Portugal, num grupo que se esforçar torna-se acessível à passagem. Mas os espanhóis não podem relaxar, porque vão ter uma Grécia motivada com os recentes bons resultados, terá duas selecções que podem ser consideradas grandes outsiders, que têm grande valor europeu e que poderão facilmente surpreender os espanhóis.

Resumindo, teremos grandes jogos no próximo Europeu de 2008, onde todos desejamos que seja desta que a nossa selecção consiga ganhar, depois de em 2004 ter estado muito próximo. Os jogos começam a 7 de Junho e a grande final é dia 29 de Junho.

Foto: Arquivo Onlie

Taça Uefa: Jornada 3

Dezembro 3, 2007

uefa_2007.jpg

João Fragata

Grupo A

Zenit 2- 2 Nuremberga
Sabendo que o Everton não jogaria desta vez (folga), o Zenit não conseguiu aproveitar para ultrapassar os ingleses e colocar a pressão do lado deles.

O Nuremberga, que ainda nem tinha pontuado, marcou primeiro mesmo contra a corrente. Surpreendentemente, aos 25’ Charisteas após um passe de Engelhardt colocou a bola no canto superior.

A equipa de Dick Advocaat decidiu correr atrás do prejuízo e até ao fim da primeira parte fazendo com que Blazek tivesse que se aplicar a fundo para não sofrer golos. Na 2ª parte a pressão continuou e poderiam até marcar logo aos 55’ mas Pogrebnyak atirou ao lado. Contudo, redimiu-se aos 76’, altura em que conseguiu cabecear para dentro da baliza após o cruzamento de Zyrianov. E o Zenit chegou mesmo à vantagem aos 79’, outra vez o passe de Zyrianov, mas desta vez a encontrar Ionov, que finalizou sem problemas. Estava reposta a justiça do jogo. Contudo, toda a gente sabe que o futebol nem sempre é justo e aos 84’ Benko quis dar o 1º ponto da sua equipa nesta edição da Taça Uefa. 2-2, e o Zenit a desperdiçar uma boa oportunidade de passar temporariamente para 1º lugar. É 2º com 5 pontos, menos 1 que o Everton.

AZ 1-0 Larissa
O AZ de Van Gaal, relançou as esperanças de conseguir a passagem aos 16 avos, depois de conseguir uma vitória suada com os gregos do Larissa. Os holandeses controlaram praticamente o jogo todo e podiam ter marcado logo aos 4’ quando Agustien, num centro à Abel, atirou a bola à barra do grego Kostolis. Podiam até ter-se adiantado no marcador ainda na primeira parte, mas o golo de Cziommer foi conseguido em irregularidade.

Na 2ª parte o AZ continuou a lutar para conseguir a vitória, mas foi preciso chegar ao minuto 77’ para Dembelé conseguir marcar e aliviar a equipa. Logo de seguida o grego Kotsios foi expulso, e Julian Jenner ia marcando o 2º golo para os Holandeses. Com esta vitória os pupilos de Van Gaal conseguiram o 3º lugar, sendo que no próximo jogo encontram o Nuremberga.

Grupo B
Lokomotiv Moscovo 0-1 Copenhaga
O velho conhecido do Benfica, Copenhaga foi até à Rússia vencer o Lokomotiv por 1-0 e assim fugir do último lugar do grupo. Já o Lokomotiv, continua a não convencer.
Foi um jogo frio que os adeptos viram. Embora o Lokomotiv tenha começado melhor, com Sychev a obrigar Christiansen a “aquecer” para defender um remate de longo distância, os dinamarqueses responderam logo aos 15’ por Allback.

O jogo foi tendo poucas hipóteses mas as existentes foram para os dois lados. Primeiro foi Ivanovic a cabecear com perigo para os russos, para logo de seguida Nordstrand deixar que Pelizzoli deixasse a baliza russa inviolável.
Na 2ª parte foi preciso chegar ao minuto 62’ para haver o único golo do jogo. Asatiani derrubou Allback na área, e Nordstrand marcou o golo para os nórdicos.
Até ao fim o Lokomotiv ainda ficou com menos um jogador. Spahic viu o 2º amarelo e teve ordem de expulsão. Este resultado deixa o Lokomotiv com 2 pontos em 3 jogos, no 4º lugar, enquanto que o Copenhaga conseguiu ascender ao 3º lugar.

Atlético Madrid 2-0 Aberdeen
O Atlético recebeu e venceu o Aberdeen por 2-0. Simão saltou do banco na 2ª parte para marcar o 2º golo, enquanto que Maniche jogou alguns minutos da 2ª parte e Zé Castro nem entrou.

O Atlético controlou praticamente todo o jogo, tendo inúmeras ocasiões para se adiantar no marcador.Primeiro foi Pernía que a 20 metros da baliza, rematou ao poste, e depois García, muito em jogo, desperdiçou 2 boas ocasiões. Contudo ainda na 1ª parte, Motta lançou Agüero que foi carregado dentro da área. Forlán não desperdiçou e estava feito o primeiro golo da noite.
No início da 2ª parte, aos 61 minutos, Simão aproveitou a ajuda do guarda-redes contrário. Depois da marcação de um livre a bola embateu no poste e nas costas de Langfield. Simão cada vez a ganhar mais espaço no Atlético.

Os espanhóis controlavam o jogo, mas ainda apanharam dois sustos, mas tanto Calderwood como Clark não conseguiram marcar.
O Atlético conquista assim o 2º lugar, estando apenas a 2 pontos do primeiro, o Panathinaikos.

Grupo C
Elfsborg 1-3 Mladá Baleslav

Os checos do Baleslav foram a surpresa do grupo, indo à Suécia vencer o Elfsborg por claros 1-3. Mas foi preciso chegar a meio da 2ª parte para darem a volta ao jogo e conseguir conquistar o 3º lugar.

O Elfsborg até começou melhor e aos 31’ adiantaram-se no marcador por Svensson. Contudo, não conseguiu mais encontrar-se com os golos até ao fim do jogo. Tanto que até com uma hipótese soberana, (Penalty), Ishizaki permitiu a Pisanowski a defesa.

Os checos entraram melhor na 2ª parte e aos 67’ Taborsky empatou o jogo, após passe de Kopic. A seguir Vorisek tornou-se o homem do jogo. Primeiro assistiu Mendy aos 79’ para o 2-1 e de seguida marcou o livre que colocou um ponto final no resultado.

O Baleslav tem agora 3 pontos em 2 jogos enquanto que o Elfsborg ficou em último lugar com apenas 1 ponto.

AEK 1-1 Fiorentina
O jogo “grande” do grupo acabou com um empate a uma bola. O AEK beneficiou de um auto-golo, num jogo em que Manú foi titular.

O AEK entrou melhor no jogo, mas a 1ª grande hipótese pertenceu aos italianos que falharam através de Vieri. A Fiorentina chegou mesmo ao golo aos 29’. Osvaldo, à entrada da área a marcar de pé esquerdo.

Logo de seguida, Manú falhou o empate, mas outro conhecido Júlio César, ex jogador do Estrela da Amadora e Gil Vicente, rematou com força e Balzaretti atirou para a própria baliza. Até ao fim do jogo a Fiorentina podia ter marcado o golo da vitória mas o livre de Liverani, quase no final, embateu na trave.

A Fiorentina desperdiçou então a hipótese de passar já aos 16 avos, caso tivesse ganho. Fica com 5 pontos no 1º lugar.

Grupo D
Hamburgo 3-0 Rennes

O Hamburgo chegou ao 1º lugar do grupo D, vencendo “sem espinhas” os franceses do Rennes por 3-0. Van der Vaart foi o homem do jogo, abrindo o marcador e a oferecer o 2º golo.

Foi mesmo Van der Vaart a abrir o jogo com um remate forte mas a falhar. Castelen imitou-o e com 3 remates de meia-distancia, mostrou que o Hamburgo não estava para brincadeiras.
E mostrou isso mesmo aos 30’ quando Olic cruzou para Van der Vaart que só teve que empurrar para o fundo da baliza. O holandês, quase no fim do jogo assistiu Choup-Moting para o 2-0, num remate ao ângulo. Já nos descontos Zidan castigou o Rennes, a marcar através da marca de grande penalidade.

Brann 2-1 Dínamo Zagreb
O Brann recebeu e venceu o Dínamo Zagreb e continua na luta pela passagem aos 16 avos. O Dínamo Zagreb, acabou com apenas 10 jogadores.

Numa jornada tão cheia de golos de penalty, este não foi diferente. Na jogada que deu o cartão vermelho a Helstad do Zagreb, Bjarnasson já quase no fim da primeira parte, marcou o 1º golo do jogo.

No início da 2ª parte o Zagreb quis mostrar que não estavam ali só para ver o jogo, e na sequência de um canto marcado por Modric, Vukojevic fez o empate e colocou justiça no marcador. Num jogo que foi quase todo controlado pelo Dínamo, mesmo quando jogou só com 10 jogadores, o Brann conseguiu surpreender e marcou mesmo o golo da vitória através de Bakke.
O Brann consegue assim, com sorte ascender ao 2º lugar.

Grupo E
Sparta 0-0 Spartak Moscovo

O único jogo sem golos da jornada, encontrou o 2º e 3º lugares do grupo, que não conseguiram marcar qualquer golo em todo o jogo, conseguindo um empate morno a zero.

A noite era fria, e o jogo não aqueceu muito os adeptos. Contudo foi melhor para o Spartak que conseguiu um bom resultado num campo difícil que para o Sparta. Começou mais atacante o Sparta que permitiu aos 4’ uma boa defesa de Pletikosa, e depois um falhanço de Dosek, que o guarda-redes croata agradeceu.

Os russos também tentaram dar o ar de sua graça, primeiro através de Welliton, e depois Dzyuba. Até ao fim do jogo houve esporadicamente perigo, num jogo que se pretendia mais das duas equipas, que jogaram mais para não perder, do que para ganhar.

Zurich 2-0 Toulouse

O Zurich conseguiu a 2ª vitória em 2 jogos, conseguindo ter a esperança de passar à próxima fase. Num jogo que conseguiu controlar Tihinen e Rafael de Araújo colocaram os suíços no 1º lugar do grupo.

Os suícos controlaram o jogo logo desde início, e mostraram que queriam vencer. Rafael foi o primeiro a tentar mas rematou ao lado, seguido por Abdi que rematou para a defesa do guarda redes contrario. Emana do Toulouse ainda tentou reagir mas nada consguiu.

Já quase no fim da primeira parte, Elmander conquistou um livre precioso e Rochat serviu Tihinen para o primeiro golo do jogo. Na 2ª parte Ilunga quis mostrar que este jogo não era excepção a nível de penaltys e colocou a mão na bola. Rafael sem qualquer problema colocou a bola no fundo da baliza.
O Zurich até ao fim do jogo ainda poderia ter aumentado por Chikhaoui mas o jogo ia mesmo acabar com o resultado de 2-0. O Zurich fica então só a precisar de mais um ponto para passar aos 16 avos.

Grupo F
Braga 1-1 Bayern Munique

O Braga surpreendeu o Bayern e arrancou um bom empate aos bávaros. Linz foi o herói dos bracarenses, marcando o empate aos 66’.

O Braga queria mostrar o que Manuel Machado tinha dito, e quis tentar mostrar que de vez em quando os pequenos ganham aos grandes. Por isso logo aos 3’ o pequeno João Pereira, depois de uma boa investida cruzou para Vandinho que cabeceou ao lado da baliza do grande Kahn.

Logo de seguida, Van Bommel rematou ao lado, mostrando que os alemães queriam vencer.
Aos 10’ Ribery atirou forte para o desvio de Klose, mas a bola saiu ao lado. Os alemães tinham agora um ligeiro controle do jogo, mas Linz até conseguiu colocar a bola no fundo da baliza bávara. So que Wender já tinha cometido falta sobre Lúcio.

Ribery tornava-se um jogador influente e aos 31’ teve uma grande investida, cruzando para Luca Toni, que atirou ao lado. A partir dos 35’ o Braga tentou inverter um pouco a ordem do jogo. Primeiro, foi João Pereira que numa boa iniciativa na direita, conseguiu um desvio para canto. Depois Wender a tentar surpreender o veterano Kahn por duas vezes, mas o alemão a mostrar toda a sua experiência.

Se o Braga acabou a 1ª parte em alta, começou a 2ª em baixa. Logo com 2 minutos de jogo Luca Toni fez uma jogada pela esquerda e cruzou para Klose calar os adeptos bracarenses. Sem dificuldade, o polaco naturalizado alemão, só teve que empurrar a bola para o fundo da baliza.

Contud,o com as entradas de João Pinto e Jaílson, o Braga deu a volta à derrota, e aos 65’ Wender descobriu Linz que rematou forte. A bola ainda bateu no poste, mas já não havia nada a fazer. O Braga tinha empatado e tentava controlar o jogo.

Por isso, aos 80’ não foi surpresa que Paulo Jorge quase marcasse na sequência da marcação de um canto. Até ao fim poucas oportunidades, e o Braga saiu com um bom resultado. A próxima paragem é o Aris, que se espera que os arsenalistas entrem com a mesma vontade e garra.
Bolton 1-1 Aris

No outro jogo do grupo F, o resultado foi o mesmo mas com alguma sorte para os ingleses, que só conseguiram o empate quase no fim da partida. Os próximos adversários do Braga foram superiores no jogo e mostraram que os arsenalistas têm que se aprumar para vencer o próximo jogo.

Foi no flanco direito que o Aris criou o jogo de toda a primeira parte. Por isso não foi de estranhar que Calvo e Neto, os donos da direita, tenham logo criado uma boa oportunidade para Koke mas este atirou ao lado. Pouco depois o mesmo Koke serviu Siston mas o resultado foi o mesmo.

Mas foi na direita que nasceu o golo do Aris. A um minuto do fim da primeira parte, um mau alívio da defesa inglesa deixou a bola para Calvo que aproveitou para se adiantar no marcador.

A 2ª parte não trouxe nada de novo, com um Aris mais defensivo a tentar segurar a vantagem mínima e o Bolton a fazer pouco para recuperar. Foi mesmo preciso chegar aos descontos para Giannakopolos ser o “traidor” de serviço e castigar a equipa do seu país marcando o golo do empate.

Grupo G
Tottenham 3-2 AaB

O jogo com mais golos da jornada, foi também o mais emocionante. O Tottenham conseguiu em apenas 21 minutos recuperar de um 2-0 para o 3-2. E foi a estrela de Juande Ramos, o especialista em Taça Uefa, que o ajudou em duas substituições cruciais ao intervalo.

Os dinamarqueses do AaB começaram muito bem o jogo, e logo aos 2’ silenciaram o White Hart Lane. Enevoldsen, que tinha a avó aniversariante a ver na bancada, decidiu dar uma prenda, entrando pela esquerda e rematando forte para o fundo da baliza. O Tottenham tentou reagir numa boa jogada de Jenas mas foi mesmo o AaB que aumentou a vantagem ainda antes do intervalo. Prica cruzou para Risgard que marcou o 2º golo da equipa dinamarquesa e deixou os adeptos à beira de um ataque de nervos.

Contudo, ao intervalo o treinador espanhol mexeu na equipa e colocou Huddlestone e Bent, que iriam ser decisivos para a reviravolta.

O 1º, logo a abrir a segunda parte fez logo a assistência para Berbatov, que sem problemas reduziu a desvantagem. Cinco minutos depois a equipa de Ricardo Rocha, que não jogou, conseguiu empatar num grande chapéu de Malbranque depois de um bom entendimento entre Keane, Berbatov e a tal 2ª substituiçao do intervalo Bent. Foi o próprio que fechou a reviravolta depois de um cruzamento remate de Lennon. O Bolton com esta reviravolta assume o 1º posto do grupo com 6 pontos em 3 jogos.

Getafe 1-2 Hapoel Tel-Aviv
A equipa espanhola do Getafe não está a ter uma boa estreia nas competições europeias e depois da derrota com o Tottenham, foi surpreendido em casa com os israelitas do Hapoel perdendo por 2-1.

O Hapoel resolveu o jogo logo na primeira parte, e bem cedo. Logo aos 5’ Badir correspondeu da melhor maneira ao cruzamento de Bondarv e inaugurou o marcador.

O Getafe tentou controlar o meio-campo, mas não valeu de muito porque à meia-hora de jogo voltou a sofrer outro golo, desta vez da autoria de Dego, na marcação de um livre soberbo.
O Getafe entrou na 2ª parte pronto para dar a volta ao marcador mas falhou sempre. Bráulio, Hernandéz e Albín tiveram em comum o facto de terem falhado todos o alvo.

E foi preciso o Hapoel cometer uma grande penalidade já em tempo de desconto (mais um na jornada) para Hernandez conseguir reduzir.

Grupo H
Helsingborg 3-0 Austria Wien
O Helsingborg recebeu e venceu o Austria de Viena por claros 3-0 e conseguiu ser a 1ª equipa a garantir a passagem à próxima fase.

Contudo embora tenha sido um resultado claro, foi só na 2ª parte que os suecos garantiram o apuramento para os 16 avos de final.

Logo no início da 2ª parte Henrik Larsson mostrou que ainda tem classe para espalhar assistindo Skulason para o primeiro golo da partido, depois de uma primeira parte muito morna.
Contudo, parecia que era só preciso o primeiro entrar para entrarem todos os outros. O Helsingborg continuou a pressionar e aos 66’ Omotoyossi a conseguir aumentar a vantagem depois de cruzamento Makondele. O mesmo Omotoyossi, apenas quatro minutos depois aumentou para 3-0 carimbando a passagem dos suecos para a fase seguinte tornando-se assim a primeira equipa a consegui-lo.

Panionos 0-3 Galatasaray
No outro jogo do grupo, o resultado foi o mesmo e também foi conseguido apenas na 2ª parte. Desta vez foi o treinador do Galatasaray que fez o mesmo que Juande Ramos e fez uma substituição acertada com a entrada de Hakan Sukur ao intervalo. O veterano avançado mostrou que mesmo aos 36 anos ainda tem muito para dar.

O Galatasaray precisava de vencer depois de ter perdido os dois primeiros jogos da Taça, mas nem uma nem outra equipa o demonstraram durante toda a 1ª parte. Na 2ª parte, com a entrada de Sukur, a equipa turca transfigurou-se e conseguiram uma vitória expressiva. Aos 50’ Sukur serviu Serkan Çalik que colocou os turcos em vantagem. Mas o avançado estava endiabrado e aos 64’ serviu outra vez o mesmo jogador que foi derrubado dentro da área.
Penalty convertido por Song.

Contudo, o camisa 9 achou que era pouco e aos 82’ decidiu que também deveria marcar. Após cruzamento de Güven, cabeceou para o fundo da baliza e fechou a contagem. O Galatasaray precisa agora de vencer o Austria de Viena e esperar que a equipa grega continue a perder.

Foto: Record

Sortes diferentes!

Dezembro 3, 2007

imagens_106876.jpg

João Fragata

Depois da passada ronda europeia da Uefa Champions League, a Taça UEFA é agora o alvo de duas das equipas portuguesas. A outra equipa lusa, porém, ainda não está livre disso. O Benfica empatou só pode lutar pela Uefa, o Sporting perdeu e aproveitou a vitória da Roma sobre o Dinamo Kiev para estar certo na 2ª prova mais importante da Europa. O Porto, mesmo perdendo de forma invulgar, tem todas as opções em aberto mas só depende de si.

Derrota em Anfield não tira o primeiro lugar

O Porto foi surpreendido em Anfield, mas está dependente de si mesmo para estar nos oitavos de final da competição. Basta um empate no último jogo para passarem.

O Liverpool começou melhor o jogo (e assim continuou grande parte do jogo), aproveitando as alterações que Jesualdo tinha feito na equipa. A titular colocou Kazmierczak, Mariano González e Stepanov. Se os primeiros até não se portaram mal, o 3º cada vez mais mostra uma total desconcentração e erros que custam jogos.

Logo aos 19’ minutos “El niño” Fernando Torres a corresponder bem a um canto de Gerrard e de cabeça colocou os Reds à frente do marcador.

Este golo veio logo desestabilizar a equipa portista que demorou a entrar no jogo. Contudo, após o golo, tentou inverter o rumo do jogo e mostrar que não tinha sido à toa que tinha entrado no jogo como líder do Grupo A, e não foi surpresa que tivesse empatado o jogo. O estreante Kazmierczak (1º jogo na Liga dos Campeões) fez uma jogada na raça pela esquerda, livrou-se do defesa, e cruzou para a área onde Arbeloa não acertou na bola, mas onde Lisandro cabeceou para o fundo da baliza. Um grande golo.

Pensar-se-ia que o Porto voltaria ás boas exibições e ia mostrar que queria carimbar logo o passaporte para os oitavos. E até foi isso que tentou mostrar logo de seguida ao golo, quando Lucho (o motor da equipa) fez uma boa assistencia para Lisandro que atirou por cima da barra. Marek Cech decidiu imitar o colega e numa jogada seguinte, embora com ressalto, rematou com a bola a ter o mesmo efeito.

O Porto acalmava e entrou na 2ª parte para gerir o resultado (que até os estava a qualificar na altura) e veio mais calmo e acertado. Contudo aos 54’ Benayoun foi o primeiro a causar algum perigo rematando para fora. Foi então que os técnicos colocaram em campo Kewell e Crouch nos Reds, e Raúl Meireles para os campeões nacionais.

Isto foi colocar Gerrard mais à vontade para aparecer finalmente no jogo. E o resultado foi o que se viu. Quando tudo parecia encaminhado para o empate, aos 78’ Kewell mostrou porque entrou, passando por dois adversários, e cruzando para “El Niño” bisar no jogo e mostrar que 36 milhões até e pouco para um jogador desta qualidade. Foi aí que tudo descambou.

Stepanov (para quê continuar a tentar) a cometer um erro grosseiro, e a colocar a mão na bola, esquecendo-se que era futebol que estava a jogar. Gerrard não costuma ser de falhar oportunidades e foi o que fez. 3-1 quando já só faltavam 6 minutos para acabar o jogo.
Gerrard decidiu mostrar-se e ainda criou o último golo, da autoria de Crouch. É questão de dizer que Benítez acertou muito bem nas trocas. Jesualdo, nem por isso.

Com este resultado os portistas dependem de si mesmos, precisando apenas de um empate para passarem. Contudo ainda nada está certo.

Sporting na Uefa, apesar da derrota

Já o Sporting já está certo na Uefa, em Fevereiro. Apesar da derrota por 2-1 em Manchester (os clubes ingleses foram maus para os portugueses), beneficiou da vitória da Roma sobre o Dínamo de Kiev para ter o 3º lugar certo.

O Manchester, embora já qualificado, não entrou a dormir tentando sempre mostrar que queria ganhar. Por isso mesmo logo aos 5’ causou o primeiro susto por Nani, mas Polga resolveu muito bem.

Contudo, o Sporting até tentou mostrar que estava ali para lutar, e aos 12’ Moutinho faz o verdadeiro primeiro remate do jogo. Logo de seguida, Saha, depois de um toque maravilhoso de Ronaldo (que resolve jogos) atirou ao lado.

Aos 21’ sem ninguém estar a espera (acho que nem Abel), o defesa direito desferiu um forte remate, que parecia não intencional, e colocou os leões na frente do marcador. Miguel Veloso fez a assistência, e Abel, que parecia querer cruzar, silenciou Old Trafford.

E a verdade é que o Sporting até podia ter aumentado a vantagem, quando minutos depois Liédson colocou a bola nas redes inglesas. Contudo, o fiscal de linha descobriu um fora-de-jogo mesmo no limiar.

Mesmo com o Manchester a tentar inverter o resultado, até ao fim da primeira parte os “jovens” de Paulo Bento mostraram alguma tranquilidade e conseguiram aguentar o resultado.

Na 2ª parte e mesmo com a boa exibição de Rui Patrício com um bom par de defesas, os ingleses chegaram ao empate. Depois de uma jogada na raça de Evra, a bola chegou a Ronaldo que rematou para onde estava Tévez que viu a bola tabelar nele e entrar na baliza. Um golo estranho.

Depois de duas tentativas de Ronaldo para marcar, à terceira foi de vez. Aí o golo já não foi estranho. Um grande livre do internacional português, ao qual Patrício não tinha hipóteses de lá chegar. Estávamos ja nos descontos e ,portanto, o que parecia ser uma vitória do Sporting, passou a derrota. Com o resultado, o Sporting ficou então no 3º lugar, e esse já não lho tiram. Agora venha a Uefa.

Agora só dependem de vocês

Um jogo com dois grandes golos, e um grande jogo foi o que viram os adeptos que estavam no estádio no jogo que opôs o Benfica ao todo poderoso Milan. E os encarnados bem se podem queixar da sorte, pois conseguiram igualar o campeão europeu, e o jogo podia ter ido para qualquer lado.

O Benfica nem começou muito bem. Logo no início a defesa encarnada teve que tentar resolver duas situações com Gilardino e Seedorf. Contudo valeu ás águias a atenção de Quim.
Contudo nem a atenção de Quim valeu quando aos 14’ a defesa deixou Pirlo completamente sozinho para poder rematar do meio da rua, criando um golo de belo efeito. O Benfica pecou pelo facto de deixar um jogador daquela classe rematar daquele sítio. Sendo um perito nesses remates Pirlo agradeceu.

Contudo, isso pareceu ter acordado os portugueses, que aos 18’ tiveram uma grande hipótese para o empate. Nuno Gomes recuperou muito bem a bola deu para Rodriguez mas o urugaio (que a par de Rui Costa só acordou a partir daí) não teve tempo de rematar graças a um grande corte de Kaladze.

Contudo, isso deu ânimo ás águias, que logo de seguida, decidiram igualar o campeão com um grande golo. O outro uruguaio Maxi Pereira a mostrar-se cada vez mais, e a empatar o jogo com um golaço.

Até ao fim da 1ª parte, oportunidades para os dois. Primeiro Brocchi a rematar para grande defesa de Quim. Depois novamente os uruguaios a tentarem também a sorte. Primeiro Rodriguez a atirar ao lado, depois Maxi, a passe de Nuno Gomes, a não conseguir também marcar.
Na 2ª parte o Benfica continuou a lutar, e aos 53’ Rui Costa com uma jogada espectacular (que velho valioso) a rematar para defesa de Dida. Os encarnados até ao fim continuaram a tentar e viram um golo anulado. Depois de uma recarga, Nuno Gomes rematou para o fundo da baliza mas em posição irregular. Aos 66’ o mesmo jogador podia ter marcado desta vez à meia-volta.

Até ao fim do jogo, Kaká ainda teve duas ocasiões desperdiçadas. O que todos assumem como melhor jogador do ano, não mostrou nada disso, não tendo discernimento e calma para marcar.
O jogo acabou, o Benfica ombreeou com uma das melhores equipas do mundo, mas vê-se obrigado a vencer o último jogo contra o Shaktar, para poder ir para a Uefa.

Foto: Record