Posts Tagged ‘Liga dos Campeões’

Luta frenética pela subida

Março 2, 2008

Miguel Pereira

Após mais uma jornada da Liga Vitalis, a luta pela subida continua ao rubro. O Trofense continua a liderar, agora seguido pelo Rio Ave, que venceu o Vizela. No entanto, a luta pela subida não se resume apenas a estas três equipas.

O líder Trofense voltou a tropeçar. Depois do empate na Vila das Aves, os comandados de António Conceição, desta feita, perderam em casa ante o Freamunde, por 2-1, permitindo aproximação do Rio Ave.

Os vila-condenses que, no jogo quente da jornada, venceram em casa o Vizela, ultrapassando o adversário na classificação. Contudo, a equipa de João Eusébio sofreu para conseguir este triunfo, pois só no minuto 90 Delson marcaria o golo da vitória vila-condense.

Quem não se conseguiu aproximar dos lugares que dão acesso à Bwin Liga foi o Estoril. Os “canarinhos” não foram além de um empate duas bolas ante o Penafiel.

O Gil Vicente, antes de se ter deslocado ao Dragão para a Taça de Portugal, foi ao reduto do Feirense vencer por 1-0. Os gilistas agora são quintos, a 5 pontos do segundo lugar.

O Olhanense, uma equipa que já assumiu o objectivo de estar no principal escalão no próximo ano, perdeu uma oportunidade de se aproximar dos lugares cimeiros, após derrota em Aveiro, por 2-0, diante do Beira-Mar.

O Varzim, que, embora esteja um pouco distante, também tem como objectivo a subida de divisão, conseguiu uma importante vitória, em casa, sobre o Desportivo das Aves. O golo da vitória dos poveiros só foi marcado a 2 minutos do final, por Yazalde.

Num jogo entre duas equipas aflitas, Portimonense e Santa Clara não foram além de um empate a uma bola.

Também na “Liga dos aflitos” o Fátima até esteve a vencer em Gondomar – resultado que permitiria a equipa sair da linha de descida –, todavia os anfitriões acabaram por empatar o encontro. Com este resultado a formação orientada por Rui Vitória continua a ser o lanterna vermelha desta Liga.

Vídeo: TV Golo

Liga dos Campeões: Oitavos-de-final – primeira-mão

Fevereiro 24, 2008

Miguel Pereira

Disputou-se a primeira-mão dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, numa ronda sem muitas surpresas. No que diz respeito ao único clube português em prova, o FC Porto, a sorte não teve do lado dos comandados de Jesualdo Ferreira.

porto.jpg

Schalke 04 1-0 FC Porto

O FC Porto não foi feliz no regresso a Gensenkirchen. Estavam decorridos 4 minutos quando Kevin Kuranyi introduzia a bola dentro da baliza de Helton. Em desvantagem, os bicampeões nacionais tiveram de ir atrás do prejuízo.

Na segunda parte, a equipa mostrou-se mais afoita, e Lisandro teve a centímetros do empate.

Os “dragões”, com claras hipóteses de seguir em frente, têm de anular esta desvantagem dia 5 de Março, no Estádio do Dragão.

real-madrid.jpg

AS Roma 2-1 Real Madrid

Um dos resultados mais surpreendentes da jornada. No entanto, as coisas até começaram bem para os “merengues”, que aos 8 minutos inauguraram o marcador, com um golo do capitão Raúl. O Real Madrid continuou a dominar e esteve perto de ampliar a vantagem. Porém, seriam os romanos a chegar ao empate, através de Pizarro.

No segundo tempo, a Roma, que estava em desvantagem na eliminatória, partiu mais ofensiva. Mancini, aos 58 minutos, marcaria o golo da vitória da formação italiano, que permite aos comandados de Luciano Spalletti levar uma pequena vantagem para o Santiago de Bernabéu.

chelsea.jpg

Olympiacos 0-0 Chelsea

Com Ricardo Carvalho a titular, que teve uma boa oportunidade para marcar na segunda parte, o Chelsea conseguiu um empate a zero em Atenas, que abre boas perspectivas para a formação londrina continuar em prova.

Perante um adversário que não se intimidou por defrontar estrelas de reconhecimento mundial, como Drogba, Lampard e Essien, os “blues” tiveram boas ocasiões para marcar, contudo as melhores as oportunidades acabaram por pertencer aos gregos.

Apesar de o nulo deixar a eliminatória em aberto, o empate acaba por ser mais favorável à equipa de Avram Grant.

inter.jpg

Liverpool 2-0 Inter

Os vice-campeões europeus superiorizaram-se perante o bicampeão italiano, conseguindo uma boa margem para o jogo da segunda-mão.

O Inter, com Figo e Maniche no banco, nunca conseguiu impor o seu jogo e depois da expulsão de Materazzi, as coisas ficaram ainda mais complicadas para a formação de Roberto Mancini.

Os golos só aparecem perto do final partida, primeiro por Kuyt, aos 85, e depois o capitão Gerrard selava a vitória.

barcelona.jpg

Celtic 2-3 Barcelona

Um dos melhores jogos desta ronda, com incerteza no resultado até final. Foram os escoceses a marcar primeiro, através de uma boa jogada Venneger. Contudo, o génio de Messi não demorou a aparecer e o prodígio argentino empataria a partida dois minutos depois. Ainda antes do intervalo, Robson colocava os anfitriões novamente em vantagem.

No segundo tempo, o Barcelona foi atrás do prejuízo e Henry, aos 52 minutos, numa execução fantástica, restabelecia a igualdade. A 11 minutos do final, mais uma vez Messi fazia o gosto ao pé, marcando o golo que dá vantagem aos catalães para o jogo da segunda-mão.

manchester-united.jpg

Lyon 1-1 Manchester

O campeão francês e o campeão inglês não foram além de um empate a uma bola, que deixa os “red devils” em vantagem para a segunda-mão.

Depois de uma primeira parte dominado pelos comandados de Alex Ferguson, o intervalo pareceu fazer bem à equipa gaulesa, que voltou com outra fluidez na etapa complementar. E foram os hexacampeões franceses a se colocarem em vantagem, através de um portentoso remate de Benzema. O técnico dos “red devils” reagiu de imediato, ao colocar em campo Tévez e Nani, sendo os dois substitutos que construíram a jogada do empate: Nani cruza e Tévez conclui.

sevilha.jpg

Fenerbache 3-2 Sevilha

Os vencedores da Taça UEFA, com Duda a titular, perderam em Istambul, mas continuam boas hipóteses de continuar em frente na prova. O Fenerbahce, treinado por Zico, entrou melhor e colocou-se em vantagem aos 17, por intermédio de Kezman. Contudo, uma infelicidade de Edu, que introduziu a bola na própria baliza, permitiu aos sevilhanos empatarem.

Na segunda parte, foram os turcos novamente a entrar melhor e a marcar, desta feita por Lugano. Mais uma vez, porém, a formação espanhola voltaria a empatar a partida, graças a uma boa finalização de Escude. A três minutos dos 90, o Fenerbache marcaria o golo da vitória – que permite levar uma pequena vantagem para Sevilha –, por intermédio Senturuk.

milan.jpg

Arsenal 0-0 Milan

Um dos jogos mais esperados desta fase acabou sem golos. Os campeões europeus contaram com a inspiração do seu guardião, Zeljko Kalac, para sair com um resultado positivo do Emirates Stadium. A equipa de Arséne Wenger bem tentou, mas os milaneses fecharam todos os caminhos para a sua baliza.

Resultados e datas da segunda-mão:

Schalke – FC Porto 1-0 05/03
AS Roma – Real Madrid 2-1 05/03
Olympiacos – Chelsea 0-0 05/03
Liverpool -Inter 2-0 11/03
Celtic – Barcelona 2-3 04/03
Lyon – Man. United 1-1 04/03
Fenerbahçe – Sevilha 3-2 04/03
Arsenal – Milan 0-0 04/03

Fonte: UEFA
Fotos: Record

Porto vence grupo, Sporting despede-se com vitória

Dezembro 19, 2007

Filipa Lopes

O FC Porto é o único clube português que continua a lutar pelo ceptro de Campeão da Europa, depois de vencer o Besiktas por 2-0 no Estádio do Dragão e garantir o 1º lugar de um grupo onde o grande favorito, o Liverpool, se quedou em 2º lugar. Ao Sporting, depois de garantida a presença na Taça UEFA, mal menor, graças à vitória, na jornada anterior, da Roma sobre o Dínamo de Kiev, restava apenas a procura da vitória no jogo contra os ucranianos como forma de garantir prestígio e enriquecer os cofres do clube. Conseguiu-o, tal como já tinha conseguido o Benfica, na semana anterior, ao derrotar por 2-1, fora, os também ucranianos do Shaktar Donetsk, carimbando dessa forma a presença na segunda prova clubística mais importante do Velho Continente.

champions.png

Nos oitavos, os «clientes do costume»

Sem espinhas. Assim se poderá classificar o trajecto do FC Porto nesta 1ª Fase de grupos da Champions League. Apesar da surpreendente e pesada derrota, por 4-1, em Anfield Road, na penúltima jornada da competição, os portistas foram a equipa mais consistente do grupo, aquela que melhor futebol praticou e a que mais mereceu, por isso, a conquista do 1º lugar do grupo A.

O jogo com o Besiktas começou morno. Os jogadores portugueses sabiam que o empate bastava para alcançar os oitavos-de-final da prova, e apostaram num jogo algo contido, apesar de Quaresma e Tarik terem proporcionado a Rustu, aos 3’ e 4’ minutos respectivamente, as primeiras grandes defesas da noite. Os turcos não aproveitaram a pouca agressividade portista, ou não o souberam fazer, e já ao cair da 1ª parte, após novas grandes defesas do guarda-redes turco a remates de Bosingwa, o FC Porto beneficiou de um erro infantil de Rustu, que encarnou por alguns segundos em fiscal-de-linha, para fazer o 1-0 por intermédio de Lucho González e sossegar os 39.000 corações azuis que vibravam no Estádio do Dragão.

A partir daqui, tudo se tornou mais fácil. O Besiktas voltou, após ao intervalo, com vontade de mudar o jogo, mas nunca apresentou argumentos para tal. Ainda ameaçou, logo no primeiro minuto, com um remate de Serdar Ozkan superiormente defendido por Helton, mas seria o FC Porto a matar de vez a partida, aos 66 minutos, com um bonito golo do inevitável Quaresma.

Após garantida a tranquilidade, Jesualdo Ferreira deu ainda minutos de jogo a Hélder Postiga, a Marek Cech e a Bollati, e o jogo desenrolou-se até ao final sem incidências de maior.
Estavam garantidos assim os 11 pontos (3 vitórias, 2 empates e 1 derrota), que permitem agora ao FC Porto evitar o confronto com grandes equipas europeias como o Inter de Milão, o Real Madrid ou o Manchester United (vencedor do grupo do Sporting).

E já que se fala em Sporting…

Num Estádio de Alvalade meio despido (apenas 19.000 espectadores compareceram à despedida do Sporting da Champions – o pior registo de sempre para esta competição no novo Alvalade) o Sporting venceu o Dínamo de Kiev por 3-0 e mostrou que, com um pouco mais de sorte e experiência, poderia ter alcançado outros resultados nesta competição.

Sem nada a perder e ainda com algum dinheiro a ganhar, a equipa de Paulo Bento entrou em campo com 3 modificações face à equipa apresentada no jogo com o Louletano, para a Taça de Portugal: Miguel Veloso e Romagnoli, habituais titulares, cederam os seus lugares a Adrien Silva e Farnerud, enquanto Liedson voltou à equipa após castigo do treinador, ocupando o lugar de Simon Vukcevic.

E foi o Sporting quem assumiu sempre o controlo do jogo, mas não o domínio. Jogando quanto baste, foi acumulando oportunidades de golo desperdiçadas por Purovic até que, aos 35’ minutos, Liedson sofreu uma carga evidente na grande área e o árbitro assinalou de imediato penalty. Anderson Polga redimiu-se da falha contra a União de Leiria e assinou o seu primeiro golo em Alvalade, o 2º na Liga dos Campeões e, curiosamente, o 2º frente do Dínamo de Kiev.

Após o intervalo, o Sporting perdeu o domínio de jogo e o Dínamo ainda chegou a ameaçar a baliza de Rui Patrício, mas aos 67’ minutos, João Moutinho, o capitão de equipa, devolveu a estabilidade aos colegas, ao rematar para o fundo das redes de Lutsenko, colocando o marcador em 2-0. Dez minutos depois, e após suberbo cruzamento de Miguel Veloso, que entretanto ocupara o lugar de Ronny na lateral esquerda, Purovic, de cabeça, quase fez o 3-0, mas Gravancic tirou a bola quase sobre a linha de baliza e evitou que o avançado montenegrino se estreasse a marcar na Champions.

Mas o jogo não acabaria sem novo golo e sem um grande susto: Aos 89 minutos, após grande lançamento de Vukcevic, Liedson fica na cara do guarda-redes Lutsenko e marca o seu quarto golo na Liga dos Campeões. O avançado leonino e o guardião, que se tocaram na disputa do lance, necessitam ser assistidos pelas respectivas equipas médicas e o brasileiro do Sporting tem mesmo que abandonar o jogo, com fortes queixas no joelho. O jogo chegaria ao fim 4 minutos depois.

Na presente edição da “Champions” o Sporting venceu os dois jogos com o Dínamo de Kiev, empatou em casa com a AS Roma, e perdeu na visita à equipa romana e nos dois encontros com o Manchester United, totalizando 7 pontos e alcançando a sua melhor prestação na história da competição.

Sortes diferentes!

Dezembro 3, 2007

imagens_106876.jpg

João Fragata

Depois da passada ronda europeia da Uefa Champions League, a Taça UEFA é agora o alvo de duas das equipas portuguesas. A outra equipa lusa, porém, ainda não está livre disso. O Benfica empatou só pode lutar pela Uefa, o Sporting perdeu e aproveitou a vitória da Roma sobre o Dinamo Kiev para estar certo na 2ª prova mais importante da Europa. O Porto, mesmo perdendo de forma invulgar, tem todas as opções em aberto mas só depende de si.

Derrota em Anfield não tira o primeiro lugar

O Porto foi surpreendido em Anfield, mas está dependente de si mesmo para estar nos oitavos de final da competição. Basta um empate no último jogo para passarem.

O Liverpool começou melhor o jogo (e assim continuou grande parte do jogo), aproveitando as alterações que Jesualdo tinha feito na equipa. A titular colocou Kazmierczak, Mariano González e Stepanov. Se os primeiros até não se portaram mal, o 3º cada vez mais mostra uma total desconcentração e erros que custam jogos.

Logo aos 19’ minutos “El niño” Fernando Torres a corresponder bem a um canto de Gerrard e de cabeça colocou os Reds à frente do marcador.

Este golo veio logo desestabilizar a equipa portista que demorou a entrar no jogo. Contudo, após o golo, tentou inverter o rumo do jogo e mostrar que não tinha sido à toa que tinha entrado no jogo como líder do Grupo A, e não foi surpresa que tivesse empatado o jogo. O estreante Kazmierczak (1º jogo na Liga dos Campeões) fez uma jogada na raça pela esquerda, livrou-se do defesa, e cruzou para a área onde Arbeloa não acertou na bola, mas onde Lisandro cabeceou para o fundo da baliza. Um grande golo.

Pensar-se-ia que o Porto voltaria ás boas exibições e ia mostrar que queria carimbar logo o passaporte para os oitavos. E até foi isso que tentou mostrar logo de seguida ao golo, quando Lucho (o motor da equipa) fez uma boa assistencia para Lisandro que atirou por cima da barra. Marek Cech decidiu imitar o colega e numa jogada seguinte, embora com ressalto, rematou com a bola a ter o mesmo efeito.

O Porto acalmava e entrou na 2ª parte para gerir o resultado (que até os estava a qualificar na altura) e veio mais calmo e acertado. Contudo aos 54’ Benayoun foi o primeiro a causar algum perigo rematando para fora. Foi então que os técnicos colocaram em campo Kewell e Crouch nos Reds, e Raúl Meireles para os campeões nacionais.

Isto foi colocar Gerrard mais à vontade para aparecer finalmente no jogo. E o resultado foi o que se viu. Quando tudo parecia encaminhado para o empate, aos 78’ Kewell mostrou porque entrou, passando por dois adversários, e cruzando para “El Niño” bisar no jogo e mostrar que 36 milhões até e pouco para um jogador desta qualidade. Foi aí que tudo descambou.

Stepanov (para quê continuar a tentar) a cometer um erro grosseiro, e a colocar a mão na bola, esquecendo-se que era futebol que estava a jogar. Gerrard não costuma ser de falhar oportunidades e foi o que fez. 3-1 quando já só faltavam 6 minutos para acabar o jogo.
Gerrard decidiu mostrar-se e ainda criou o último golo, da autoria de Crouch. É questão de dizer que Benítez acertou muito bem nas trocas. Jesualdo, nem por isso.

Com este resultado os portistas dependem de si mesmos, precisando apenas de um empate para passarem. Contudo ainda nada está certo.

Sporting na Uefa, apesar da derrota

Já o Sporting já está certo na Uefa, em Fevereiro. Apesar da derrota por 2-1 em Manchester (os clubes ingleses foram maus para os portugueses), beneficiou da vitória da Roma sobre o Dínamo de Kiev para ter o 3º lugar certo.

O Manchester, embora já qualificado, não entrou a dormir tentando sempre mostrar que queria ganhar. Por isso mesmo logo aos 5’ causou o primeiro susto por Nani, mas Polga resolveu muito bem.

Contudo, o Sporting até tentou mostrar que estava ali para lutar, e aos 12’ Moutinho faz o verdadeiro primeiro remate do jogo. Logo de seguida, Saha, depois de um toque maravilhoso de Ronaldo (que resolve jogos) atirou ao lado.

Aos 21’ sem ninguém estar a espera (acho que nem Abel), o defesa direito desferiu um forte remate, que parecia não intencional, e colocou os leões na frente do marcador. Miguel Veloso fez a assistência, e Abel, que parecia querer cruzar, silenciou Old Trafford.

E a verdade é que o Sporting até podia ter aumentado a vantagem, quando minutos depois Liédson colocou a bola nas redes inglesas. Contudo, o fiscal de linha descobriu um fora-de-jogo mesmo no limiar.

Mesmo com o Manchester a tentar inverter o resultado, até ao fim da primeira parte os “jovens” de Paulo Bento mostraram alguma tranquilidade e conseguiram aguentar o resultado.

Na 2ª parte e mesmo com a boa exibição de Rui Patrício com um bom par de defesas, os ingleses chegaram ao empate. Depois de uma jogada na raça de Evra, a bola chegou a Ronaldo que rematou para onde estava Tévez que viu a bola tabelar nele e entrar na baliza. Um golo estranho.

Depois de duas tentativas de Ronaldo para marcar, à terceira foi de vez. Aí o golo já não foi estranho. Um grande livre do internacional português, ao qual Patrício não tinha hipóteses de lá chegar. Estávamos ja nos descontos e ,portanto, o que parecia ser uma vitória do Sporting, passou a derrota. Com o resultado, o Sporting ficou então no 3º lugar, e esse já não lho tiram. Agora venha a Uefa.

Agora só dependem de vocês

Um jogo com dois grandes golos, e um grande jogo foi o que viram os adeptos que estavam no estádio no jogo que opôs o Benfica ao todo poderoso Milan. E os encarnados bem se podem queixar da sorte, pois conseguiram igualar o campeão europeu, e o jogo podia ter ido para qualquer lado.

O Benfica nem começou muito bem. Logo no início a defesa encarnada teve que tentar resolver duas situações com Gilardino e Seedorf. Contudo valeu ás águias a atenção de Quim.
Contudo nem a atenção de Quim valeu quando aos 14’ a defesa deixou Pirlo completamente sozinho para poder rematar do meio da rua, criando um golo de belo efeito. O Benfica pecou pelo facto de deixar um jogador daquela classe rematar daquele sítio. Sendo um perito nesses remates Pirlo agradeceu.

Contudo, isso pareceu ter acordado os portugueses, que aos 18’ tiveram uma grande hipótese para o empate. Nuno Gomes recuperou muito bem a bola deu para Rodriguez mas o urugaio (que a par de Rui Costa só acordou a partir daí) não teve tempo de rematar graças a um grande corte de Kaladze.

Contudo, isso deu ânimo ás águias, que logo de seguida, decidiram igualar o campeão com um grande golo. O outro uruguaio Maxi Pereira a mostrar-se cada vez mais, e a empatar o jogo com um golaço.

Até ao fim da 1ª parte, oportunidades para os dois. Primeiro Brocchi a rematar para grande defesa de Quim. Depois novamente os uruguaios a tentarem também a sorte. Primeiro Rodriguez a atirar ao lado, depois Maxi, a passe de Nuno Gomes, a não conseguir também marcar.
Na 2ª parte o Benfica continuou a lutar, e aos 53’ Rui Costa com uma jogada espectacular (que velho valioso) a rematar para defesa de Dida. Os encarnados até ao fim continuaram a tentar e viram um golo anulado. Depois de uma recarga, Nuno Gomes rematou para o fundo da baliza mas em posição irregular. Aos 66’ o mesmo jogador podia ter marcado desta vez à meia-volta.

Até ao fim do jogo, Kaká ainda teve duas ocasiões desperdiçadas. O que todos assumem como melhor jogador do ano, não mostrou nada disso, não tendo discernimento e calma para marcar.
O jogo acabou, o Benfica ombreeou com uma das melhores equipas do mundo, mas vê-se obrigado a vencer o último jogo contra o Shaktar, para poder ir para a Uefa.

Foto: Record

Liga dos Campeões: Jornada 4

Novembro 11, 2007

Francisco Reis

Liverpool 8-0 Beşiktaş

Que grande goleada! Perante os números, nada há a dizer em possível defesa dos turcos: ao que parece, levaram um “banho de bola”. A primeira parte acabou com um resultado mais ou menos normal: 2-0. Até ao intervalo, somente Peter Crouch e Benayoun tinham facturado. Na segunda parte, os reds abriram caminho para a história da competição, batendo o recorde de golos marcados num só jogo da Liga dos Campeões. O israelita Benayoun fez mais dois e consumou um hat-trick; depois o capitão Gerrard também fez o gosto ao pé. Seguiu-se um bis de Ryan Babel e, já no fim do tempo regulamentar, Peter Crouch aumentou para 8-0, marcando assim o primeiro e último golo do encontro. Memorável para os britânicos (que tinham mesmo que ganhar); humilhante para os turcos.

Porto 2-1 Marselha

lc_a_porto.jpg

O Porto venceu e fê-lo com justiça. No Estádio do Dragão, os azuis e brancos tiveram alguma dificuldade em impor o seu jogo logo de início, como tem vindo a ser hábito em todas as partidas. Porém, quando as equipas encaixaram, passaram a ser os bicampeões nacionais portugueses a dominar os acontecimentos, ainda que sem o brilhantismo que poderiam ter com Lucho em campo. Foi num momento de grande classe e pura magia que o Porto se adiantou no marcador: Tarik Sektioui ultrapassou vários adversários, incluindo o guarda-redes, e, numa arrancada maravilhosa, fez o 1-0. Logo a abrir o segundo tempo, Stepanov concedeu demasiado espaço ao avançado Niang (deveria ter sido expulso no jogo anterior e consequentemente não deveria ter marcado presença neste jogo), que restabeleceu a igualdade. O Porto acelerou e Lisandro López, depois de um cabeceamento à barra, fez o segundo para os da casa, demonstrando mais uma vez estar num momento de forma soberbo. Até final, os portistas sufocaram os franceses. O Porto passa, deste modo, para a liderança do grupo A, seguido do Marselha.

Grupo B

Schalke 04 0-0 Chelsea

No Arena AufSchalke, em Gelsenkirchen, estádio que tão boas recordações trás ao futebol português (foi lá que o Porto conseguiu sagrar-se campeão europeu em 2004), o Schalke 04 e o Chelsea não conseguiram marcar golos e o jogo terminou empatado 0-0. Foi um jogo relativamente equilibrado mas o maior pendor ofensivo da equipa alemã poderia ter sido suficiente para reduzir a desvantagem pontual em que se encontra em relação aos blues, que continuam a comandar o grupo. Valeu a solidez defensiva ao Chelsea, que tem que continuar a trabalhar para garantir matematicamente a presença nos oitavos-de-final.

Valência 0-2 Rosenborg

lc_b_rosenborg.jpg

O Rosenborg continua na mó de cima. No Mestalla, o Valência não conseguiu vencer os noruegueses, que discutiram taco a taco o resultado. Nem Caneira, nem Miguel, nem Manuel Fernandes, todos totalistas neste jogo, conseguiram fazer da estreia europeia de Ronald Koeman ao serviço dos espanhóis positiva. O verdadeiro culpado de tudo isto foi Iverson, autor dos dois golos nórdicos, aos 31 e 58 minutos. O Rosenborg está, assim, à frente de nomes como o Schalke 04 e o Valência e em posição de passagem aos oitavos-de-final.

Grupo C

Lázio 2-1 Werder Bremen

A Lazio conseguiu três preciosos pontos em casa, que garantem, desde já, o segundo lugar no grupo C. No Olímpico de Roma, os golos só apareceram nos segundos quarenta e cinco minutos. Foi com dois tentos de Rocchi que os italianos se adiantaram no marcador e já nem uma grande penalidade convertida por Diego aos 88 minutos valeu aos alemães de Bremen, que passam a ocupar o último posto do grupo.

Olympiacos 0-0 Real Madrid

lc_c_real.jpg

O Real Madrid tem estado forte na Liga dos Campeões (ainda não perdeu), daí que se possa considerar que o Olympiacos conseguiu um bom resultado, ao empatar com os campeões espanhóis em casa. O guardião grego Nikopolidis acabou por ser a figura do encontro ao efectuar defesas de grande nível, segurando o precioso ponto para a formação helénica. O Real Madrid jogou melhor mas a raça e a determinação dos seus adversários resultaram numa divisão de pontos.

Grupo D

Shakhtar 0-3 Milan

Depois de duas vitórias, duas derrotas. É esta a série de resultados dos ucranianos do Shakhtar, que não se conseguiram superiorizar aos actuais detentores da Liga dos Campeões em nenhum dos dois jogos disputados. Depois do 4-1 em Milão, foi a vez do 3-0 em Donetsk. A vitória começou a ser fabricada no último terço do jogo quando Filippo Inzaghi marcou o primeiro. Seguiu-se um golo de Kaká e já no tempo de descontos, Pippo igualou a marca de golos Gerd Muller nas competições europeias, 62, fazendo o segundo da contagem pessoal e o terceiro da equipa.

Celtic 1-0 Benfica

lc_d_benfica.jpg

No Celtic Park, em Glasgow, disputou-se um jogo renhido e equilibrado cujo vencedor foi o mais feliz na finalização. O Benfica bem se esforçou por chegar ao golo mas isso nunca veio a acontecer, muito por culpa de Cardozo, que desperdiçou duas oportunidades flagrantes. A equipa encarnada não foi inferior ao conjunto escocês mas acabou por sair do Reino Unido sem pontos. McGeady deu aos hoops o único golo do jogo, um golo cheio de sorte, já que a bola bateu num jogador benfiquista antes de ultrapassar a linha de baliza.

Grupo E

Lyon 4-2 Estugarda

O Lyon parece ter acordado e, depois de na jornada anterior ter ganho ao Estugarda, voltou a vencer contra o mesmo oponente. Ben Arfa marcou muito cedo, aos 6 minutos, e o segundo dos franceses, marcado por Kim Kallstrom, deixava antever um jogo calmo para os hexacampeões de França. Porém, o forte avançado Gómez fez o 2-1 logo de seguida, voltando a por os anfitriões em sentido. Ainda na primeira parte, Ben Arfa marcou novamente, colocando o placard em 3-1. Na segunda parte, houve um golo para cada equipa: primeiro para Gómez, o segundo homem do jogo a bisar, depois de Ben Arfa. Depois, já para lá dos 90, foi a vez de Juninho Pernambucano increver o seu nome na lista dos marcadores.

Barcelona 0-0 Rangers

lc_e_barcelona.jpg

O Barcelona permanece invicto e, com 10 pontos, tem praticamente assegurada a passagem à fase seguinte da prova. No Camp Nou, diante do Rangers, Henry e Messi fizeram os dois golos da vitória na primeira parte. O resultado até podia ser mais dilatado, porque a turma catalã, comandada pelo enorme Ronaldinho, se exibiu a um nível extraordinário, suprindo a ausência do luso-brasileiro Deco.

Grupo F

Manchester United 4-0 Dínamo de Kiev

O Manchester United venceu com muita facilidade o Dínamo de Kiev, nesta jornada, em Old Trafford. O começo da goleada deu-se quando o jovem Gerard Piqué fez o 1-0. Ainda na primeira parte, Carlos Tévez aumentou a contagem. O avançado inglês Wayne Rooney foi o autor do terceiro golo da noite e o quarto foi alcançado já perto do fim pelo português Cristiano Ronaldo. Um domínio avassalador que tornou os red devils a única equipa com 100% de vitórias nesta edição da Liga dos Campeões e a primeira a garantir o apuramento.

Sporting 2-2 Roma

lc_f_sporting.jpg

O outro jogo do grupo foi disputado em Alvalade e terminou com um empate a duas bolas. Um empate que sabe a derrota, no Reino do Leão. Cassetti colocou os romanos em vantagem à passagem do minuto 4 e as dificuldades tornaram-se ainda maiores para os leoninos. Porém, Liedson resolveu (ou assim parecia…) e com dois golos, aos 22 e 64 minutos, a vitória parecia não mais escapar aos vice-campeões portugueses. Engano. Parece que a sina dos grandes de Lisboa nesta jornada era não conseguir bons resultados fruto de golos carregados de sorte para os adversários. Este foi um deles. Pizarro remata, Polga toca de cabeça e a bola entra na baliza do Sporting. Um resultado injusto, já que os italianos, cínicos como sempre, não mereciam sair do nosso país com um ponto na bagagem.

Grupo G

Fenerbahçe 2-0 PSV

O Fenerbahçe continua forte nas competições europeias e ainda não saiu de nenhum jogo sem pontuar. Desta feita, fizeram três pontos diante do campeão holandês: o PSV Eindhoven. O jogo, em Istambul, ficou resolvido na primeira parte com dois golos: um na própria baliza, de Marcellis, e outro de Semih Şentürk. Até final, o marcador não conheceu alterações e os turcos estão a pouca distância dos oitavos-de-final.

Inter de Milão 4-2 CSKA de Moscovo

lc_g_inter.jpg

Em San Siro, o Inter levou de vencida a formação russa do CSKA de Moscovo. Não foi fácil. Jô e Vagner Love, dois brasileiros, marcaram e ninguém esperava que os italianos conseguissem marcar quatro golos e golear os homens de Leste. Ibrahimovic marcou imediatamente a seguir a Vagner Love e Cambiasso marcou imediatamente a seguir ao seu colega de equipa. Em quatro minutos, três golos e a igualdade restabelecida. Na segunda parte, foram os mesmos intérpretes a mexer com o jogo, primeiro marcou o argentino; depois o sueco. O jogo terminou e os três pontos conseguidos neste jogo garantem aos nerazzurri a quase passagem à próxima fase.

Grupo H

Steaua de Bucareste 0-2 Sevilha

lc_h_sevilha.jpg

Esta foi a jornada dos bis: depois de Peter Crouch, Ryan Babel, Iverson, Rocchi, Filippo Inzaghi, Ben Arfa, Gómez, Liedson, Ibrahimovic e Cambiasso, foi a vez de Renato fazer dois golos e assumir-se como o melhor jogador do encontro. Em Bucareste, o Steua local até fez um bom jogo e a superioridade dos espanhóis foi muito ligeira. Foi a eficácia do médio brasileiro que fez a diferença e colocou os bicampeões da Taça UEFA em posição privilegiada para seguir em frente na competição rainha do futebol europeu.

Slávia de Praga 0-0 Arsenal

O Slávia de Praga vinha de uma pesadíssima derrota no estádio do Arsenal mas voltou a provar que é capaz de encarar todos os adversários nos olhos, mesmo quando saem vexados duas semanas antes, num jogo contra a mesma equipa. Depois de um 7-0, até parece estranho dizer que as equipas se bateram de igual para igual, só que essa é a mais crua das verdades. E o resultado (0-0) prova-o. Este precioso ponto ganho pelos gunners na República Checa garantiu aos os pupilos de Ársene Wenger o passaporte para os oitavos-de-final.

Fonte: Uefa
Fotos: Futebol de Ataque

Esperança para uns, desilusão para outros

Novembro 11, 2007

João Fragata

As equipas portuguesas tiveram sortes diferentes na ronda europeia da Liga dos Campeões. Enquanto o Porto ganhou graças à inspiração de Sektioui, os leões empataram mesmo com o génio de Liedson. Já aos encarnados faltou-lhes o génio.

imagens_106750.jpg

O jogo até nem começou da melhor forma para os Leões que logo aos 4’ sofreram o primeiro golo do jogo. Casseti, que até jogou adaptado á esquerda, passou bem por Tonel e mesmo com a presença de Izmailov, rematou forte e ao angulo, sem hipóteses para Tiago.
Mesmo podendo pensar-se que o Sporting iria sucumbir rapidamente aos italianos, os leões até reagiram bem, e fizeram provavelmente a melhor exibição da época.

Tanto que aos 22’ Liedson (Quem mais?), com alguma sorte à mistura, restabeleceu a igualdade e a justiça ao jogo. Depois de um cruzamento de Izmailov, o central Mexés e o guarda-redes Doni não se entenderam, deixando a baliza aberta para o 101 golo do brasileiro para o Sporting. Marca histórica para o Levezinho. O Sporting não tirou o pé do acelerador e até podia voltar a marcar até ao fim da primeira parte por duas ocasiões, primeiro por Liedson, que acertou no lado errado das redes, e depois por Moutinho, já no final da 1º parte com o remate a rasar o poste.

Na 2ª parte tudo na mesma, o Sporting a batalhar para ganhar, e aos 64’ minutos, Liedson a bisar num grande golo, e a dar a esperança aos adeptos leoninos. Num canto, provavelmente estudado, uma troca de passes entre Romagnoli e Izmailov, resultaram num cruzamento forte do russo, bem concluído por um cabeceamento em voo do brasileiro, a meter a cabeça onde outros metem o pé. Quando tudo parecia encaminhado para a vitória leonina, veio o balde de água fria.

Num livre favorável à Roma, toda a gente ficou a espera do cruzamento para a àrea, mas Pizarro chutou, ressaltando na cabeça de Polga e acabando com a ilusão de toda a gente no Estádio Alvalade XXI. Um resultado injusto, que deixa os leões a necessitarem de ganhar em casa dos já qualificados Manchester United, e esperando um deslize da Roma.

imagens_106736.jpg

Ja no Estádio do Dragão a História foi diferente. Sem Lucho González (que falta faz naquele meio campo), os portistas não fizeram das melhores exibições da temporada, mas fizeram o que se lhes pedia, foram eficazes.

Não tiveram Lucho para a consistência, mas tiveram o brilho de Sektiou que aos 27’ (sim, esse mesmo que era para ser dispensado), foi desde o meio-campo, passou por 5 jogadores, mais o guarda-redes, marcando assim o 1º golo da noite, um golo que não teve nada a ver com o resto do jogo.

O jogo que até viu o Marselha em alguma superioridade durante largas partes do jogo (se bem que foi um jogo morno), e onde até poderia ter logo empatado num remate de Niang. O que faltou na primeira parte do Marselha (a finalização) veio logo no 2º tempo, e pelo mesmo Niang. Depois de uma apatia primeiro de Fucile, Bonnart cruzou para a cabeça do senegalês que, aproveitando a lentidão de Stepanov, cabeceou para o fundo das redes.

O momento do jogo foi quando Jesualdo Ferreira manda entrar Postiga, deixando Lisandro Lopéz mais solto. Primeiro ensaiou numa jogada em que, após cruzamento de Quaresma cabeceou por cima. Depois, no replay, o argentino (para quando a Selecção?) decidiu empurrar a bola para o sítio certo, dando assim os 3 pontos aos dragões, que assumiram assim o 1º lugar do grupo, precisando apenas de 2 pontos para chegar aos oitavos.

imagens_106743.jpg

Para terminar, temos o Benfica, que continua com os problemas de sempre, a finalização. No jogo para homens, como Camacho proferiu, os encarnados fizeram-se meninos á frente da baliza, e também na disciplina.

Os encarnados tiveram em Cardozo (quem mais?) que ao longo do jogo fez os adeptos desesperar pelos 20 golos prometidos.

Em Parkhead, estádio não muito favorável para as equipas portuguesas, os portugueses tentaram alterar essa tendência, tendo logo de início tentar controlar o jogo, onde os escoceses tentaram gerir sempre sem muito esforço, tentando mais defender que controlar. Logo aos 7’ começou, o festival Cardozo que desferiu um remate forte e colocado mas sem sorte.

Depois, Edcarlos regressado ao eixo da defesa, com um mau passe, “obrigou” Rui Costa a fazer um livre, que viu Kennedy, sem marcação a rematar ao lado.
Até ao fim da 1ª parte, o Celtic começou a acordar e aos 17’ e 22’ valeu às águias a atenção de Quim (para quando a titularidade da selecção?) defendendo dois fortes remates. Contudo nem o guarda-redes valeu quando, quase no fim da 1ª parte McGeady, atirou forte ressaltando em Luisão, o que enganou Quim e colocou os católicos na frente.

Na 2ª parte, ao contrário do que se esperava, o Benfica não veio mais atacante, mas continuou a tentar a vitória. Contudo, para variar, Cardozo continuou com a malapata e teve mais algumas oportunidades na 2ª parte, que desperdiçou.

Até ao fim do jogo, destaque ainda para Quim, continuando a defender bem a baliza dos encarnados que defendeu bem a remate primeiro de Scott Brown aos 70’ e quase no fim do jogo, a remate de McGeady. Já quase no fim também, continuaram os meninos a aparecer, desta vez foi Binya, que numa entrada sem explicação nenhuma levou vermelho e foi descansar mais cedo.

Com isto, o Benfica complicou cada vez mais a participação na Liga dos milionários, e está obrigado a vencer aos italianos do Milan, e aos ucranianos do Shakhtar, e fica dependente dos outros.

Sorte diferente portanto para as equipas portuguesas, que assim têm que suar para passar aos oitavos (Benfica e Sporting), excepção para os campeões nacionais, que podem assim depender de si próprios.

Fotos: Record

Liga dos Campeões: Jornada 2

Outubro 6, 2007

Francisco Reis

Grupo A

Liverpool 0-1 Marselha

O Marselha, depois do triunfo diante do Beşiktaş, voltou a registar um resultado positivo e mantém-se como líder isolado do grupo A. O Liverpool, actual vice-campeão europeu, ainda não conheceu o sabor da vitória nesta edição da Liga dos Campeões. Depois de um empate conseguido com muita sorte no Dragão, o Liverpool sofreu um golo em Anfield Road que bastou para dar os três pontos aos franceses. Valbuena foi o autor do golo solitário e vitorioso do Marselha – 0-1 no placard final.

 porto.jpg

Beşiktaş 0-1 Porto

O Porto teve alguma sorte contra os turcos do Beşiktaş e venceu pela margem mínima e um golo já no período de compensação. Foi uma partida equilibrada, com uma ligeira supremacia do campeão português e o resultado favorável aos azuis e brancos acaba por ser mais espectacular do que a exibição. Quando já todos esperavam o nulo, eis que o “mágico” Ricardo Quaresma resolve com um golo envolto em atabalhoamento e confusão. O certo é que a vitória sorriu ao Porto e os três pontos garantem a segunda posição no grupo. O Beşiktaş continua sem pontuar.

Grupo B

Rosenborg 0-2 Schalke 04

O Rosenborg, após um brilhante empate em Stamford Bridge, caiu aos pés do Schalke 04. Na Noruega, os germânicos apenas chegaram ao golo na segunda metade – Jermaine Jones fez o primeiro aos 69 minutos e Kevin Kuranyi sentenciou a partida já ao cair do pano, aos 89 minutos.

chelsea.jpg

Valência 1-2 Chelsea

No Mestalla, o Valência não foi suficientemente forte para levar de vencida o Chelsea. David Villa marcou cedo, dando vantagem ao Valência, porém um auto-golo de Moretti ainda na primeira parte recolocou os ingleses na luta pela vitória. A cerca de vinte minutos do final da partida, Joe Cole assistiu Didier Drogba para um grande golo. Os blues de Avram Grant acabaram por reagir ao mau resultado contra o Rosenborg na jornada anterior.

Grupo C

Werder Bremen 1-3 Olympiakos

O Olympiakos foi à Alemanha e saiu de lá com uma vitória diante do Werder Bremen. Hugo Almeida, que tem estado imparável neste início de época, marcou aos 32 minutos de jogo dando fortes esperanças de uma vitória germânica. Porém, uma reviravolta inimaginável sucedeu já perto do final do jogo. O primeiro dos gregos foi marcado por Stoltidis aos 73 minutos; Patsatzoglou aos 82 e Kovacevic aos 87 completaram a cambalhota no marcador. 1-3 foi o resultado.

lazio.jpg

Lázio 2-2 Real Madrid

O Lazio vs Real Madrid acabou por se tornar um Pandev vs Van Nistelrooy. O jogo terminou 2-2 com um bis de cada um dos jogadores. O holandês marcou primeiro para o Real Madrid, logo aos 8 minutos; o macedónio marcou para a Lázio aos 35. Na segunda parte, Ruud Van Nisteltrooy marcou o segundo golo aos 61 minutos e Goran Pandev empatou definitivamente aos 75. O domínio dos forasteiros acabou por não se traduzir no resultado.

Grupo D

Celtic 2-1 Milan

Contra todas as expectativas, o Celtic derrotou o AC Milan por 2-1. Em Glasgow, foram os da casa a adiantar-se com um golo de McManus já depois da hora de jogo. Kaká, o melhor dos italianos, empatou através da conversão de uma grande penalidade. Já ao cair do pano, em cima do minuto 90, Scott McDonald marcou o último golo do jogo, o golo que deu os primeiros três pontos à formação escocesa.

benfica.jpg

Benfica 0-1 Shakhtar

O Benfica continua sem conseguir marcar pontos na Liga dos Campeões deste ano. Depois do pequeno massacre vivido em San Siro, os encarnados não conseguiram derrotar os líderes do campeonato ucraniano no seu próprio estádio. A Luz parece só se ver ao fundo do túnel e esta foi uma exibição apagada. Um único golo, marcado por Jadson, bastou aos pupilos de Lucescu para sair de Portugal com a vitória e consequente liderança no grupo D.

Grupo E

Lyon 0-3 Rangers

O Lyon está uns furos abaixo em relação ao que vinha a fazer nos anos transactos. As diferenças notam-se, não só internamente, como também na Europa. Já tinham ido perder a Espanha com Barcelona e desta vez foi o Rangers a vencê-los. Os escoceses fizeram o primeiro por McCulloch aos 23 minutos; Cousin e Beasley, aos 48 e 53 minutos respectivamente, encarregaram-se de dilatar a vantagem e a humilhação dos hexa-campeões franceses – derrota por 0-3 do Lyon, a jogar em casa e zero pontos na classificação do grupo E.

bar%c3%a7a.jpg

Estugarda 2-0 Barcelona

O Barcelona é que parece apostado em fazer um brilharete europeu – ainda não sofreu golos. Depois da pesada derrota impingida ao Lyon na primeira jornada, os catalães foram a Estugarda vencer por 0-2. O capitão Puyol foi o primeiro a marcar – aos 53 minutos – e o fantástico Messi fez o segundo um quarto de hora depois. Um resultado justo, que demonstra a superioridade dos espanhóis.

Grupo F

Manchester United 1-0 Roma

O Manchester United ganhou, em casa, à Roma. Os italianos não sofreram o vexame da época passada, contudo o resultado acabou por ser negativo para a formação orientada por Spalletti. Com Nani e Cristiano Ronaldo a titulares, acabou por ser outra das estrelas – Wayne Rooney – a fazer o único golo do jogo já na segunda parte.

sporting.jpg

Dínamo de Kiev 1-2 Sporting

Num jogo entre dois conjuntos com tendências ofensivas, acabaram por ser os centrais a decidir. Tonel marcou cedo, aos 14 minutos, e a partir daí o jogo foi um frenesim – extremamente aberto e com ocasiões constantes para ambos os lados. Os ucranianos, a jogar em casa, chegaram ao empate por Vaschuk, aos 28 minutos. O último golo do jogo foi marcado ainda na primeira parte e teve a assinatura de Anderson Polga que, finalmente, marcou com a camisola leonina. Esta foi uma vitória suada mas merecida para a formação portuguesa.

Grupo G

CSKA de Moscovo 2-2 Fenerbahçe

Em Moscovo, o CSKA local não foi além de um empate frente aos poderosos turcos do Fenerbahçe. Alex marcou primeiro, tinham decorrido apenas 9 minutos. Porém, Krasic e Vágner Love, aos 50 e 53, deram uma volta de 180º ao marcador. Foi Deivid, herói da vitória frente ao Inter, o autor do golo do empate, já perto final.

inter.jpg

Inter de Milão 2-0 PSV

No outro jogo do grupo, o Inter redimiu-se do mau resultado da jornada inaugural e levou de vencida o campeão holandês – PSV. Zlatan Ibrahimovic foi o autor dos dois golos dos nerazurri – o primeiro de penaltie aos 15 minutos; o segundo de bola corrida já depois da meia hora. Nem a expulsão de Chivu na segunda parte foi motivo para o Inter perder a partida. Talvez o PSV merecesse, pelo menos, um golo.

Grupo H

Steaua de Bucareste 0-1 Arsenal

Depois de um arranque fulgurante do Arsenal, nada mais do que a vitória se esperava. Os gunners não golearam mas arrecadaram os três pontos – aquilo que realmente interessa. Venceram pela margem mínima e o autor do golo inglês foi um holandês: Robbie Van Persie de seu nome. O golo foi apontado aos 76 minutos e foi suficiente para vencer o Steua de Bucareste na Roménia.

sevilla.jpg

Sevilha 4-2 Slávia de Praga

O Sevilha arrancou mal mas já se endireitou. A jogar no seu estádio, perante o seu público, os andaluzes derrotaram o Slávia de Praga por 4-2. Kanouté fez o primeiro aos 8 minutos e a resposta dos checos não tardou: Pudil marcou aos 19. Luís Fabiano, Escudé e Arouna Koné marcaram mais três golos e tiraram todas as hipóteses que o Slávia ainda possuía. Ainda assim, Kalivoda reduziu já nos descontos de tempo.

Fonte: Uefa
Fotos: Futebol de Ataque

Liga dos campeões: Sporting e Porto em grande, Benfica complica qualificação

Outubro 6, 2007

Miguel Pereira

O Sporting soube sofrer e teve em Polga e Stojkovic a chave para o triunfo. O FC Porto também conseguiu resistir à grande pressão turca, com o génio de Quaresma a resolver na última badalada do jogo. O Benfica, porém, não seguiu o exemplo dos rivais, perdendo em casa com os ucranianos dos Shaktar Donetsk.

sporting.jpg

Quando Tonel inaugurou o marcador aos 14 minutos, os pupilos de Paulo Bento acreditaram que poderiam inverter a má sorte dos últimos quatro jogos. No entanto, poucos imaginavam que fosse preciso sofrer tanto para que a o vice-campeão nacional conseguisse a sua primeira vitória de sempre fora de casa, para a Liga dos Campeões.

Aos 18 minutos, porém, parecia que o Dínamo de Kiev dava um soco no estômago nas aspirações leoninas, quando Vaschuv aproveitou um erro infantil da defesa do Sporting para restabelecer a igualdade.

O Leão não se deixou, todavia, intimidar e Polga aproveita mais um erro do guardião adversário para marcar pela primeira vez com a camisola dos leões.

A segunda parte, imprópria para cardíacos, foi sofrer a bem sofrer. Stojkovic esteve irrepreensível, não permitindo que a vitória escapasse. Apesar do ascendente dos ucranianos, o Sporting, com Liedson e Djaló sempre activos no ataque, poderia ter resolvido a questão e evitado tanto sofrimento.

porto.jpg

Em Istambul, o Porto também soube aguentar a pressão e matar o jogo no momento exacto.

Numa primeira parte em que a equipa portuguesa não conseguiu impor o seu jogo, os turcos dominaram a belo prazer. Contudo, para felicidade portista, Helton esteve ao seu nível e evitou que o Besiktas chegasse ao intervalo em vantagem.

Na etapa complementar, os comandados de Jesualdo Ferreira entraram mais afoitos, com vontade de levar a vitória para o Dragão. No entanto, as melhores oportunidades continuaram a pertencer aos de casa, com Helton a segurar o nulo no marcador.

E quando todos esperavam que o resultado terminasse, Ricardo Quaresma (quem mais!) rasga a defesa turca e silencia o Estádio. Há que assumir que este golo acabou por ser um rude golpe para os jogadores do Besiktas. Mas, em boa verdade, refira-se que quem não marca sofre!

slbshakt3.jpg

Na Luz, estava criado um ambiente para uma noite memorável. Os adeptos compareceram em peso, mas a equipa acabou por não corresponder às expectativas.

Uma primeira parte pouco esclarecedora dos encarnados permitiu à armada brasileira do Shakhtar explorar rápidos contra-ataques e causar calafrios aos adeptos benfiquistas. Os calafrios passaram a dores de cabeça quando Nelson perde uma bola, que permite mais um contra-ataque ucraniano. Desta jogada, nasceu o único golo do jogo, com Jadson, assistido Fernandinho, a bater Quim sem muitas dificuldades.

Os pupilos da Camacho tentaram alterar o rumo dos acontecimentos no segundo tempo, faltou, porém, arte e engenho para que os encarnados chegassem pelo menos ao empate. Com duas derrotas, em outros tantos jogos, o Benfica pode ter hipotecado as hipóteses de estar nos oitavos-de-final.

Fotos: Futebol de Ataque